Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Novo navio para transporte de madeira e celulose

Parceria entre Celulose Riograndense, Aliança e Intecnical lançará navio INTECNICAL/DIVULGAÇÃO/JC

Parceria entre Celulose Riograndense, Aliança e Intecnical lançará navio


A Celulose Riograndense, a Navegação Aliança (Trevisa Investimentos) e o estaleiro Intecnical farão o batismo do novo navio Juan Rassmuss, construído para transportar madeira e celulose pelo Guaíba e Lagoa dos Patos. Será na quarta-feira (dia 15), às 15h, no estaleiro, em Triunfo, com a presença do governador José Ivo Sartori (PMDB). O navio tem 103,80 m de comprimento e 15,50 m de largura, e capacidade para transportar 4.814 toneladas. A Celulose utiliza três desses navios. Um dos problemas desta navegação é que as embarcações voltam vazias de Rio Grande a Guaíba. Por enquanto.

Fonte: Jornal do Comércio, 10/06/2016.

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Boa notícia: Vereador é exonerado, e técnico assume a Diretoria de Hidrovias da SPH!

A diretoria de hidrovias da SPH está sob a administração de Eduardo Alves, também chefe da divisão de operações e fiscalizações (DOF/SPH). Desde o dia 1° de abril, Alves assumiu a diretoria para dar continuidade aos trabalhos desenvolvidos na área. 

alt
Geógrafo Eduardo Alves, novo Diretor de Hidrovias da SPH.


Eduardo entrou em 2001 na SPH como estagiário e, desde 2015 assumiu a função de chefe da DOF. “Todo o conhecimento adquirido durante todos estes anos na área de hidrovias irão agregar mais valores aos trabalhos que ainda vamos desenvolver. Agradeço a confiança da Secretaria dos Transportes e da diretoria da SPH para desemprenhar o cargo”, fala Alves. 

O novo diretor de hidrovias, Eduardo Alves, destaca que há muito trabalho a desenvolver para que as hidrovias recebam a atenção que merecem “a SPH está no caminho certo, demonstrando a capacidade de administrar os portos e hidrovias com extrema competência. Vamos continuar dando atenção as dragagens e a sinalização, para que possa cumprir com o seu propósito, que é manter a hidrovia navegável e segura para os usuários”, diz Alves.

Fonte: SPH

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Fepam analisa extração de areia no Guaíba

Jefferson Klein

O governo do Estado traz ao debate, mais uma vez, um tema que promete ser motivo de polêmica entre ambientalistas e empreendedores do ramo da mineração: um estudo para a retirada de areia do lago Guaíba. A presidente da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) e secretária do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável, Ana Pellini, ressalta que o trabalho não se trata de um zoneamento econômico-ecológico completo, e sim de uma pesquisa voltada exclusivamente para a extração de areia. A ação visa determinar os possíveis impactos no meio ambiente e em que locais poderá ser adotada a extração. 

A expectativa é que o levantamento seja concluído no primeiro semestre. Em 2015, a Fepam tentou avaliar a retomada, em caráter experimental, da extração no Guaíba. No entanto, o Ministério Público Estadual recomendou que o governo se abstivesse de emitir licença ambiental para atividade de pesquisa ou remoção de areia no local. Questionada se o nova iniciativa satisfará às exigências do Ministério Público, a secretária respondeu: "a gente vai apresentar para eles, aí que vamos saber". 

Ana reitera que o governo está desenvolvendo estudos para ter um indicador de onde poderá ser retirada a areia do Guaíba, sem prejuízos para o meio ambiente. A secretária acrescenta que o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae), que monitora a qualidade da água e a questão de sedimentos do lago, tem passado informações que possui em seu banco de dados. Outros elementos estão sendo colhidos da Corsan e do Instituto de Pesquisas Hidráulicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs).

O plano de bacia do lago também será aproveitado.

Ação visa determinar possíveis impactos causados pela exploração
(Foto: Jonathan Heckler/JC)

Além disso, o Estado está adquirindo um ecobatímetro (equipamento de sondagem), que deverá chegar em até 30 dias. O aparelho, que custa aproximadamente R$ 1,5 milhão e contará com financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), já é um interesse antigo do governo gaúcho, que queria comprar o ecobatímetro em 2013. 

A presidente da Fepam reforça que o assunto é relevante e mexe com o mercado da construção civil. Conforme Ana, a areia no Rio Grande do Sul é cara e de baixa qualidade, sendo que a extração no rio Jacuí é limitada. A secretária adianta que as informações colhidas até agora levam a crer que, de uma maneira controlada e em pontos determinados, com as dragas monitoradas por GPS, será possível liberar a atividade no lago Guaíba.

NOTA DO EDITOR

O preço do ecobatímetro não pode estar correto, pois é possível adquirir no mercado interno, ou por importação, excelentes equipamentos para batimetria por preços muito abaixo disso. Com dez por cento desse valor adquirimos equipamentos de excelência para tais serviços na SPH (antigo DEPRC). Os resultados de nossas batimetrias permitiam, além de cálculos de volumes de extração de material, uma perfeita descrição do relevo subaquático, através de plantas batimétrica e modelagem numérica do terreno. A esse respeito, cabem explicações, para justificar esse preço estratosférico ...  

segunda-feira, 21 de março de 2016

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Aviso aos Navegantes

Além desse blog, dedicado às hidrovias interiores, o editor também mantinha outro blog - "De Olho no Crea Gaúcho", desativado após sua aposentadoria, ocorrida há cerca de 3 anos, ocasião em que solicitou o cancelamento de seu registro junto ao CREA/RS. Na ocasião, informei aos colegas de vários estados, que frequentemente enviavam denuncias sobre irregularidades no sistema CONFEA/CREA's, para divulgação no referido blog, que a partir de então o problema teria que ser tratado por aqueles que ainda pagavam, de forma obrigatória, suas anuidades e taxas aos CREA's.

Esse não é mais o caso do editor, felizmente. 

Os colegas têm plenas condições de fazer isso, basta criar um mecanismo de mídia alternativa e gratuita, como é o caso dos blogues, e passar a divulgar assuntos de interesse da categoria, inclusive sobre os casos de má gestão, improbidade administrativa ou corrupção no âmbito dos seus respectivos CREA's. 

Por óbvio, quem fizer isso pode sofrer represálias ou retaliações por parte dos que dirigem o sistema CONFEA/CREA's. Quem não quiser se incomodar, deverá se conformar, ficar quieto e pagar a conta. 

Sempre existe um custo político/pessoal quando se combate esse tipo de gente, mas a omissão também cria problemas éticos, de auto-estima, de consciência ...

Essa nota é oportuna porque tais demandas (denúncias) continuam sendo encaminhados ao editor, algumas até de forma inusitada e desagradável, como é o caso que ocorreu hoje, por ocasião de uma das raras visitas que, eventualmente, costumo fazer aos antigos colegas de trabalho, quando um ex-dirigente do sistema CONFEA/CREA's reclamou, inconformado, sobre a ausência de denúncias no blog do editor contra o atual presidente do CREA/RS, Eng. Melvis Barrios Júnior. 

Ele não foi específico, mas é de se supor que tenha conhecimento de alguma irregularidade na atual gestão do CREA gaúcho. Se for assim, ele sabe perfeitamente o que deve fazer - o que o editor fazia quando estava registrado no CREA/RS, a saber: elaborar uma denúncia escrita, assinada, e encaminhar aos órgãos de controle (TCU, MPF, etc.), e divulgar para a categoria. É muito simples.

O problema não é mais do meu interesse, pois não sou mais registrado no CREA/RS, não exerço mais a profissão, e não pago mais nada ao sistema CONFEA/CREA's. Isso é gratificante. Excepcionalmente, posso até repercutir alguma notícia, em razão de inúmeras demandas, como foi o caso da última postagem, em razão de uma pequena pendência relativa à indevida intromissão do CONFEA em assuntos associativos locais, estranhos à regulamentação e fiscalização do exercício profissional.

Além disso, este blog está direcionado às hidrovias interiores do RS, inclusive quanto aos aspectos de gestão ...  


quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Sociedade de Engenharia homenageia dirigente afastado do CONFEA por improbidade administrativa e crime eleitoral

A Justiça Federal afastou o presidente do Confea, José Tadeu da Silva, e a vice-presidente, Ana Constantina Sarmento de Azevedo, por improbidade administrativa e crime eleitoral. A ação judicial teve origem em inquérito realizado pelo Ministério Público Federal. 

Eng. José Tadeu afastado da presidência do Confea
Eng. José Tadeu da Silva

Também foram afastados os conselheiros federais de Rondônia, Eng. Agr. João Francisco dos Anjos, e do Espírito Santo, Eng. Civ. Marcos Motta Ferreira. 

Assumiu a presidência do Confea o conselheiro federal do Pará Antônio Carlos Alberio. 

Segundo o Eng. Civil Melvis Barrios Junior, presidente do CREA-RS, o Sistema Confea/Crea está fazendo a sua parte, num momento em que o Brasil necessita de ampla transparência e conduta ilibada dos gestores públicos.

NOTAS DO EDITOR

1 - O sistema CONFEA/CREA's, ao contrário do que diz o atual presidente do CREA/RS, não está fazendo "a sua parte", no que tange à transparência e conduta ilibada de seus dirigentes; a própria noticia mostra isso, pois foram instituições estranhas à engenharia - MPF e Judiciário, que afastaram o Eng. José Tadeu da Silva do comando do CONFEA.  

2 - Na área da engenharia, das entidades de classe que constituem o sistema CONFEA/CREA's, ocorre exatamente o contrário, pois esse tipo de dirigente, condenado por improbidade administrativa e crime eleitoral, é homenageado pelos seus pares ... O engenheiro José Tadeu da Silva foi recentemente homenageado pela Sociedade de Engenharia do RS, que o elegeu "Engenheiro do Ano/2015, láurea recebida no dia 10 de dezembro passado. Parece que a SERGS está adotando um princípio para escolher seus homenageados - o sujeito tem que ter problemas na TCU ... 




3 - No último dia 18 de novembro, a Justiça Federal de São Paulo determinou o afastamento do presidente do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia, engº José Tadeu da Silva, por improbidade administrativa e bloqueou todos os seus bens. Também foram afastados três conselheiros federais por crime eleitoral. Os conselheiros federais afastados são de Alagoas, Rondônia e Espírito Santo.

Esta não é a primeira vez que o engenheiro tem problemas com a Justiça, em outubro do ano passado o portal da Revista Forum (http://www.revistaforum.com.br/mariafro/2014/10/17/confea-presidente-ficha-suja-e-reu-em-mais-de-30-processos/) divulgou que, em 2011, José Tadeu da Silva, naquela época presidente do Crea-SP, foi acusado de trocar viagem a Suíça por votos, por este motivo foi condenado, juntamente com toda a delegação, a devolver os valores aos cofres do Crea-SP, equivalentes, na época, a mais de R$ 400 mil.

No Tribunal de Contas da União - TCU, o engenheiro também foi condenado à multa por má condução do Crea-SP pois, após diligências e auditorias nas contas do Conselho paulista, o TCU o acusou de direcionar licitação e restringir o caráter competitivo na compra da “Sede Angélica”, na Capital de São Paulo, entre outras ilegalidades. Por essas mesmas acusações, a Justiça Federal de São Paulo bloqueou suas contas bancárias e bens até o limite de 15 milhões e 864 mil reais.

O fato de ter um presidente afastado em pleno mandato, por crime eleitoral, é inédito no Sistema Confea/Crea, que possui mais de hum milhão de profissionais registrados em todo o País, e coincide, também pela primeira vez na história da política nacional, com a prisão de um Senador da República em pleno mandato, como é o caso do Senador Delcídio Amaral que, conforme sugere a foto, tem grande amizade com o engenheiro José Tadeu da Silva.

Principais processos contra o engº José Tadeu da Silva, presidente afastado do Confea e ex-presidente do Crea-SP: Justiça Federal de São Paulo; 1) Processo nº 0022976-87.2015.4.03.6100 - Crime Eleitoral/Improbidade Administrativa - Movido pelo Ministério Público Federal (18/11/2015 Afastou o Presidente do Confea, Vice-Presidente e outros dois Conselheiros Federais);  2) Processo nº 0007792-28.2014.4.03.6100 - Improbidade Administrativa - Movido pelo Crea-SP, em função de auditoria do TCU (Em 16/10/2014 bloqueou mais de 15 milhões de suas contas e bens);  3) Processo nº 0015238-82.2014.4.03.6100 - Improbidade Administrativa - Movido pelo Crea-SP, por falta de execução fiscal (Justiça aceitou em 10/08/2015 a denúncia e processo corre em andamento).; Tribunal de Contas da União; 4) Processo nº 035.902/2011-6 - LICITAÇÕES, CONTRATOS, CONCESSÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS - Já condenado pelo TCU (Condenado em 08/07/2015 a pagamento de multa e, em 28/10/2015, já julgado também os embargos onde foi mantida a condenação).

Fontes: CREA/RS e Sociedade de Engenharia do RS.

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Veja como se formou a cheia na Lagoa dos Patos

Pelotas e Rio Grande estão entre os municípios mais afetados pelas inundações 

As inundações registradas em municípios do sul do Estado como Pelotas e Rio Grande foram provocadas por uma fórmula climática de alto impacto: chuvas torrenciais e ventos intensos. 

A água acumulada de rios como Jacuí, Caí, Gravataí e dos Sinos desembocou no Guaíba, em Porto Alegre, onde permaneceu represada durante o final de semana por ventos que sopravam do quadrante sul. 

Com a mudança dos ventos, a água foi liberada para seguir caminho e acabou sendo impulsionada por rajadas de mais de 100 km/h sobre a costa doce. Confira mais informações no infográfico abaixo:


Fonte: Zero Hora.