Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Antaq amplia plano de outorgas e inclui hidrovias

O diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Fernando Fialho, anunciou hoje que o Plano Geral de Outorgas (PGO) do setor portuário será ampliado, incluindo projetos de hidrovias.

Segundo ele, os novos investimentos ao setor de hidrovias serão aplicados daqui a um ano. Desde o ano passado, o governo tem anunciado o lançamento do plano de outorga, com 45 possibilidades de instalação de portos no país.

Fialho afirmou que a inclusão de hidrovias ocorreu no momento em que era prevista a primeira revisão do plano. “O plano de outorga é o estudo que identifica as novas oportunidades ao setor de portos. Ele já está em vigor e já é utilizado como referência pelas empresas do país”, afirmou o diretor-geral em anúncio na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O objetivo do governo é operar de forma significativa a configuração da matriz brasileira de transportes, elevando de 13% para 29% a participação das hidrovias até 2025. Atualmente, as ferrovias detêm 27%, enquanto as rodovias têm 60% da matriz.

Porto de Porto Alegre (Delta do Jacui, Rio Guaíba)

Durante o anúncio, Fialho ressaltou que foram identificados os principais corredores de cargas pelos rios do país. Segundo ele, esses corredores já interagem com as grandes obras de infraestrutura, incluindo as hidrelétricas com eclusas, que permitem o uso dos rios por embarcações.

Fialho citou oito corredores hidrográficos que constam do novo PGO: Madeira, Tapajós, Telles Pires, Tucuruí (rio Tocantins), Parnaíba, São Francisco, Tietê/Paraná, Mercosul (rios Jacuí, Ibicuí e Lagoa dos Patos) e o Paraguai.

“Esses corredores estarão a serviço da produção no interior do país”, afirmou Fialho, ao se referir, em especial, ao escoamento da produção agrícola e mineral.

A Antaq estima que a redução do custo de frete em hidrovias, em relação ás rodovias, varia entre 20% e 30%. Outra vantagem citada se refere à emissão de CO2.

Fonte: Rafael Bitencourt (Valor on Line)

Nenhum comentário:

Postar um comentário