Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

terça-feira, 15 de março de 2011

Perigo no Guaíba: Bóia do DMAE dasaparecida


Uma bóia de cor amarela, pertencente ao DMAE e que estava situada em frente ao Veleiros do Sul (foto do VDS) está desaparecida. Na manhã deste sábado (12/03) a lancha de um associado do VDS foi mais uma vítima da situação, tendo a sua rabeta arrancada ao bater na estrutura submersa de captação da água (cuja bóia sinalizava). O clube improvisou uma bóia inflável laranja no local, esperando que os responsáveis tomem providências. Tem um vídeo visualizando o local. Mais detalhes no VDS (fonte).

Fonte: Conjuminando, 12/03/2011.  http://www.conjuminando.com.br

13 Mar 2011
Irresponsabilidade de departamento da Prefeitura de Porto Alegre causa acidente com lancha

Uma lancha abalroou estrutura submersa no Rio Guaíba na manhã de ontem, sábado, 12 de março, nas proximidades do Veleiros do Sul. A lancha, de um associado do clube náutico, teve a rabeta arrancada no impacto contra a estrutura submersa.

Em 2007, a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através do Depto Municipal de Águas e Esgoto (DMAE), cravou uma estrutura no Rio Guaíba nas proximidades do Veleiros do Sul (foto). Trata-se de uma torre submersa, cujo topo, dependendo da altura do rio, fica a cerca de meio metro da superfície.


O projeto, por mais benefícios que possa trazer à população, carece de bom senso, pois representa um sério risco de abalroamento às embarcações de recreio que navegam na região. Que outra solução de engenharia fosse empregada para atender às necessidades de abastecimento de água do bairro, de forma inteligente e competente, sem causar riscos à navegação.

 

Não cabe aos navegantes dizer qual a solução de engenharia seria ideal para solucionar a necessidade do DMAE, mas é muito fácil perceber que a solução empregada foi, no mínimo, irresponsável. Para resolver um problema seu, o DMAE criou outro, para a navegação de recreio. Isto não é engenharia. Um órgão público instalou uma armadilha no rio.

Depois de algum tempo da implantação da estrutura, o DMAE instalou uma bóia de plástico para sinalizar sua preciosidade. Trata-se de uma marca de sinalização frágil, que melhor serviria para sinalizar lagos de parques públicos, desses povoados por marrecos e tartarugas. Além da fragilidade da peça, não recebeu refletorização, mesmo diante do tráfego noturno na região. Navegadores aplicaram adesivos refletivos nas bóias, voluntariamente.


Em 9 meses após a implantação da bóia, a parte superior já havia sumido, tendo restado apenas a base (foto). Veja a notícia publicada em 16 DEZ 2008.

Certa vez a bóia garrou e foi localizada contra os molhes do Iate Clube Guaíba.

Faz tempo que a base garrou novamente e nunca mais foi substituída, deixando o obstáculo sem qualquer sinalização.

O risco de abalroamento é de tanta importância, que o obstáculo deveria ser sinalizado, no mínimo, com uma bóia metálica luminosa. como as utilizadas nos canais de navegação do Rio Guaíba, e implantada por quem tenha competência para tanto, para que se mantenha na posição após ventos fortes.

Os abalroamentos de embarcações que tem havido na estrutura do DMAE são equivalentes aos que podem ocorrer contra pedras submersas. A parada é instantânea, podendo levar os tripulantes a ferimentos pelo choque contra a embarcação, ou a serem jogados para fora, ou ainda a perfurar o casco, o que pode causar naufrágio.

Além da lamentável solução de engenharia dada à obra, foi ainda mal sinalizada, e deixada sem manutenção.


Texto: Danilo Chagas Ribeiro (www.popa.com.br)
Fotos (edição sobre imagem de satélite): Frederico Roth
Fotos (bóias): Carlos Altmayer Gonçalves Manotaço

Fontehttp://www.popa.com.br, 13/03/2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário