Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

domingo, 22 de maio de 2011

Acordo de R$ 1 bilhão deve elevar tráfego na Tietê-Paraná em 40%

Recursos de parceira entre governo Federal e do Estado será usado em obras e ampliação de capacidade da hidrovia


Está acertada para os próximos dias a assinatura de um convênio entre os governos federal e de São Paulo para investir mais de R$ 1 bilhão em melhorias na hidrovia Tietê-Paraná.

Com o investimento, o volume de transporte em 800 quilômetros do trecho da hidrovia deverá saltar de 5,8 milhões de toneladas em 2010 para mais de 8 milhões de toneladas, prevê o diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antonio Pagot. Segundo o Departamento Hidroviário (DH) da Secretaria de Transportes de São Paulo, os investimentos vão poder triplicar o potencial de carga, para mais de 10 milhões de toneladas até 2014.

A hidrovia liga cinco estados com maior produção agrícola do país (Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Paraná) e transporta principalmente milho, soja, óleo, madeira, carvão e adubo. O dinheiro – R$ 623 milhões do governo federal e R$ 393 milhões de São Paulo – será aplicado na eliminação de gargalos até 2014.

Para elevar esse potencial de transporte de produtos agrícolas os investimentos serão feitos principalmente em derrocagem, dragagem, reforma de eclusas e proteção dos pilares, além da ampliação dos terminais existentes e implantação de novos terminais.

Além disso, segundo apurou o iG, o calado do rio nos momentos de seca mais intensa terá profundidade mínima de 2,7 metros, enquanto que hoje está em cerca de 2,4 metros. Com um calado maior, que é a distância entre a superfície da água e o fundo da embarcação, aumenta o porte dos veículos que podem circular pela hidrovia.

Esses investimentos, portanto, devem diminuir o tempo e os custos de viagem. Segundo o DH de São Paulo, apenas a expansão de vãos em quatro pontes que cruzam a hidrovia vão permitir o tráfego de composições de até quatro barcaças e vão acelerar as viagens em até duas horas por ponte, além de diminuir em cerca de 20% os custos.

O convênio de R$ 1 bilhão que vai ser assinado pela presidenta Dilma Rousseff e pelo governador Geraldo Alckmin nos próximos dias faz parte de um plano de longo prazo para investimento de R$ 16 bilhões, que elevaria o potencial navegável da Tietê-Paraná para 2,47 mil km.

Mais barato e menos poluente

Segundo cálculos da Confederação Nacional do Transporte (CNT), o transporte por hidrovias costuma ser cinco vezes mais barato que o rodoviário e três vezes mais econômico do que o ferroviário. Ainda conforme a CNT, o Brasil tem 42 mil km de vias navegáveis, mas aproveita apenas 8,5 mil km desse potencial.

Para o DH de São Paulo, a adoção mais intensa de hidrovias colabora para desafogar o trânsito em estradas, o que leva a uma economia para manutenção das rodovias e permite a redução de preços de pedágio. Além disso, reduz-se a emissão de mais de 20 milhões de toneladas de dióxido de carbono, o que contribui para o combate ao aquecimento global.

Fonte: Agência T1, http://tinyurl.com/3gd8dsl.

Nenhum comentário:

Postar um comentário