Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Areia artificial preserva o ambiente

Votorantim Cimentos planeja usar areia artificial na fabricação de concreto em todo o Brasil

Empresa, que já utiliza o material nas unidades de produção em 
Curitiba, São Paulo e mais recentemente em Campo Grande, 
pretende ampliar o uso do agregado para todas as suas fábricas

Ana Paula Rocha
03/11/2009

A Votorantim Cimentos passou a usar em outubro a areia artificial em sua unidade de Campo Grande. O objetivo da empresa é expandir o uso do material em todas as unidades espalhadas pelo País. "Começamos a usar a areia artificial entre 2002 e 2003 na cidade de Curitiba. Desde lá, já adotamos o material na capital e interior de São Paulo e agora em Campo Grande. A ideia é expandir o material para uso no concreto em todas as unidades de agregados", conta Renato Siniscalchi, gerente técnico da área de agregados.

A areia artificial é obtida nas instalações de britagem e aproveita grande parte do material de descarte das minerações. "Uma das vantagens principais é o controle do processo de fabricação do material. As características da areia natural variam muito, sem contar as impurezas que precisam ser retiradas", explica Siniscalchi. "Em um processo industrial, o controle tecnológico é muito mais apurado, o que melhora a resistência e o acabamento do produto. Em paralelo, se reduz o uso de cimento na fabricação do concreto", completa.

Segundo ele, a extração natural da areia ainda provoca impacto ambiental no leito dos rios e eleva o custo final da produção de concreto, pois os locais de extração geralmente estão distantes dos centros consumidores.

A Votorantim Cimentos possui unidades de fabricação de areia artificial em cada uma das regiões que adotam o material. "Dependendo das condições de cada região, existem modelos diferentes de fabricação da areia. Em Curitiba, o nosso processo é 100% a seco. Já em Campo Grande, o nosso processo é úmido. Varia muito", finaliza o gerente técnico da área de agregados da empresa.

Fonte: PiniWeb, Tecnologia e Materiais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário