Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Rio Paraguai: Falha no leme pode ter causado colisão de empurrador contra ponte

Marinha muda normas para navegação sob ponte no Rio Paraguai


A colisão de um empurrador paraguaio transportando 16 barcaças de farelo de soja contra o pilar central da ponte sobre o rio Paraguai, na região do Porto Morrinho, fez a Marinha mudar procedimentos para a navegação sob a ponte rodoviária da BR-262. A autorização provisória para o tráfego de comboios foi publicada no Boletim Diário de Avisos-Rádio Náuticos ontem (11) e divulgado pelo Serviço de Sinalização Náutica do Oeste.

A alteração também acontece porque além do choque contra o pilar do vão central, uma barcaça do comboio paraguaio está afundada no local. A área está demarcada provisoriamente com galões plásticos nas cores vermelho e laranja. A recomendação aos navegantes é que mantenham "atenção redobrada" no trecho e adotem "todas as precauções" necessárias à segurança da navegação para transpor a ponte.

Para passar por baixo da ponte, as embarcações deveriam - até o dia do acidente - desmembrar o comboio completo e passar com o máximo de quatro barcaças de cada vez. Após cruzar o vão navegável, o comboio novamente se juntaria e seguiria viagem pela hidrovia do rio Paraguai.

De acordo a autorização provisória, para o tráfego de comboios, emitida pela Marinha, a transposição da ponte rodoviária da BR-262, no quilômetro 1402,1 do rio Paraguai, tem regras diferentes para embarcações que estiverem subindo e descendo a hidrovia do Paraguai.

As embarcações que estiverem subindo o rio somente deverão trafegar com o máximo de quatro barcaças. Estes comboios deverão ter como dimensões máximas: 175 metros de comprimento (incluindo o empurrador) e 25 metros de largura.

Para comboios descendo o rio, a transposição da ponte do Porto Morrinho deve ser feita com o máximo de duas barcaças e as medidas máximas devem ser de 115 metros de comprimento (incluindo o empurrador) e 25 metros de largura. O aviso aos navegantes estabelece que rebocador ou empurrador devem estar operando "sem qualquer tipo de restrição". A autorização, ainda que provisória, é válida por tempo indeterminado.

Dispositivo de segurança

Ao bater contra o pilar central da ponte, no domingo, 08 de maio, e provocar um vão de cerca de 20 centímetros na estrutura, o empurrador Doña Carmen acabou trazendo à tona a discussão em torno da reconstrução do dolfin, dispositivo de segurança que protege os pilares de colisões. O empurrador atingiu o lado mais vulnerável, onde o módulo de proteção já não existe mais. Atualmente, os outros três dolfins que protegem os pilares suportam 8 mil toneladas.


Uma vez reconstruído, o módulo de segurança teria capacidade maior de absorção de impacto. A recuperação do equipamento se arrasta há quase sete anos. Ela chegou a ter início em agosto de 2004, depois da batida de um comboio no sistema de segurança que protege os pilares de sustentação da ponte, mas foi paralisada.

A colisão - ocorrida em julho de 2003 - não provocou grandes danos, mas levou à realização de um laudo pericial. Desde então, pelo menos outras três colisões causaram danos sucessivos ao dispositivo. Após a colisão de domingo, o Governo do Estado e o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), anunciaram a recuperação da ponte e reconstrução do dolfin. Levantamento preliminar aponta investimento de R$ 6 milhões na obra.

Fonte: Correio do Estado, 13/05/2011. http://tinyurl.com/3b8857s

Um comentário:

  1. A repercussão da matéria acima foi sugestão do amigo e leitor João Luiz, do Mundo Náutico (mundonautico@pop.com.br).

    ResponderExcluir