Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Governo aporta recursos à SPH e garante a continuidade da dragagem de manutenção dos canais navegáveis

O próximo trecho a ser dragado é o Canal da Feitoria, no Estuário da Lagoa dos Patos

Já foram dragados os canais da Barra do Canal São Gonçalo (2009), e no período 2010/2011 os canais do Leitão, Pedras Brancas e do Junco (em andamento), todos no Rio Guaíba. Após a conclusão da dragagem no Canal do Junco, o próximo canal a ser dragado é o Canal da Feitoria, que é historicamente o trecho mais crítico da hidrovia, tendo em vista estar localizado no estuário da Lagoa dos Patos (Banco da Feitoria), uma área de intensa sedimentação (assoreamento).

Canais do Estuário da Lagoa dos Patos 

Taxa de Assoreamento do Canal da Feitoria

123.457 metros cúbicos anuais (7,01 metros cúbicos/metro/ano)

Características geométricas básicas

Extensão = 17,139 quilômetros (9,25 milhas náuticas)
Largura = 80 metros 
(Curva/Porteiras:  α = 35°, R = 939 m, B + δB = 151 m)
Calado Oficial = 5,18 metros (17 pés)

O material de fundo do Canal da Feitoria é predominantemente arenoso, na medida em que o canal foi escavado no banco que se projeta desde a Ilha da Feitoria. Ao sul, na entrada do canal (Porteiras), o material é caracterizado por silte e areia; depois aparecem trechos com areia e silte e, na maior parte, o fundo é constituído por areia. No trecho final, ao norte, surgem a presença de algum cascalho junto com areia e, a seguir, novamente areia e silte. 

O atual contrato de dragagem de manutenção dos canais navegáveis da hidrovia Lagoa dos Patos-Guaíba-Delta do Jacui, celebrado em agosto de 2009, recebeu o aporte de mais 6,4 milhões de reais, o que garante a continuidade desses serviços vitais à segurança do transporte aquaviário interior. Os canais da zona sul (Setia, Coroa do Meio, Barra SG, Nascimento e Feitoria) são os que apresentam maiores taxas de assoreamento, especialmente os canais Setia e Feitoria, porque estão localizados numa área de transição (estuário), propícia à formação de bancos e coroas pela deposição permanente dos sedimentos.

Diretor Superintendente da SPH, Eng. Roberto Hallal, 
vistoria dragagem no Canal da Feitoria (Janeiro/2006) 

As últimas dragagens do Canal da Feitoria ocorreram nos períodos 2005/2006 e 2007/2008 e, tendo em vista o período de recorrência (4 anos, no máximo), está na hora de executar nova dragagem de manutenção. Nas dragagens anteriores foram utilizada dragas hidráulicas, dos tipos "pipeline" e "hopper", pertencentes às empresas Transpavi-Codrasa e Kalifa-Navegação e Dragagem, respectivamente, cujos contratos foram problemáticos, inclusive com a rescisão do último por inadiplemento da contratada. É grande a expectativa quanto à nova dragagem, a ser iniciada em breve, principalmente pelo uso do mesmo tipo de equipamento da última dragagem, de uma draga autotransportada (Hopper), agora pertencente à empresa Enterpa Engenharia, já utilizada na dragagem dos canais referidos acima.

Canal da Feitoria/2006 - Técnicos da Divisão de Estudos e Projetos em  
atividade  de fiscalização de dragagem e restabelecimento de sinais náuticos

As condições de tempo no estuário lacustre, principalmente no Canal da Feitoria, são extremamente adversas aos trabalhos de dragagem (ventos e ondas), e representam um verdadeiro desafio técnico e operacional. Vide detalhes dessas condições durante a última dragagem feita no Canal da Feitoria, nos anos 2005/2006 (Governo Rigotto), no site da SPH. Além das condições meteorológicas adversas, também existem restrições de logística (abastecimento de combustível, suprimentos, revezamento de equipes, etc.) decorrentes do isolamento e da distancia até os locais de apoio (Porto de Pelotas e Colônia Z-3). No entanto, a notícia da dragagem dos canais da zona sul é animadora, e o sucesso da dragagem dependerá do desempenho do equipamento e do planejamento adequado das operações. 

5 comentários:

  1. Hermes, boa tarde.Vale lembrar que dragamos também o canal pedras brancas, entre janeiro e março deste ano.O canal estava também com situação critica, com pouco mais de 3 metros em alguns trechos.abs.Fabio Alves.Enterpa Engenharia.

    ResponderExcluir
  2. É verdade, Fábio. O colega Orlando Machado, engenheiro aqui da SPH, também fez essa observação agora há pouco. Acabei de corrigir o texto. Obrigado pela atenção e interesse no blog "Hidrovias Interiores - RS". Abraços, Hermes.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Hermes.

    Sou estudante de Direito USP e estou fazendo uma pesquisa para a qual acredito que você possa fornecer subsídios úteis sobre transporte hidroviário de navegação interna. Entretanto, não consigo, pelo site do blog, acessar o seu endereço de e-mail para travar um contato. Será que você poderia disponibilizá-lo para mim por post aqui nos comentários mesmo? Do contrário, me forneça uma outra via de comunicação viável.

    Desde já, grato.

    Atenciosamente,
    Ivo Matos

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde, Hermes. Como vai?

    Sou estudante de direito da USP e estou realizando uma pesquisa para qual acredito que você possa fornecer alguns subsídios úteis acerca de transporte hidroviário de navegação interna no RS. Ainda que a pesquisa assuma uma abordagem jurídica sobre o tema, estou certo que você poderá me ajudar em alguns pontos. No entanto, o site do blog não disponibiliza seu e-mail, ou pelo menos não estou consiguindo acessar. Por isso peço que me informe seu e-mail ou qualquer outra referência para que nos comuniquemos.

    Desde já, grato.

    Atenciosamente,
    Ivo Matos

    ResponderExcluir
  5. Bemvindo, Ivo. Meu e-mail é hermesvargassantos@gmail.com

    ResponderExcluir