Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Hidrovia do Mercosul: ANTAQ participa de reunião sobre acordo Uruguai-Brasil em Montevidéu

Autoridades discutem a implementação da Hidrovia Uruguai-Brasil

O gerente de Desenvolvimento e Regulação da Navegação Interior da ANTAQ, Adalberto Tokarski, participou, nos dias 7 e 8 de julho, em Motevidéu (Uruguai), da VII Reunião de Alto Nível para a Nova Agenda de Cooperação e Desenvolvimento Fronteiriço Uruguai/Brasil. Além dessa reunião, Tokarski representou a Agência no encontro de especialistas uruguaios e brasileiros para discutir a formação da secretaria técnica sobre transporte fluvial e lacustre na Hidrovia Uruguai-Brasil.

Para ser aprovado, o acordo entre Uruguai e Brasil precisa passar pela anuência dos dois governos. A parte uruguaia da parceria está no Senado uruguaio. Já os termos brasileiros estão no Poder Executivo, que deve enviá-los para o Congresso Nacional até o fim do ano.

Os especialistas discutiram obras de dragagem, balizamento e sinalização na Hidrovia Uruguai-Brasil. “O projeto de dragagem está avançando na parte brasileira, o que é fundamental, pois possibilitará a navegação plena desde o Uruguai até o Brasil”, destacou Tokarski.

A futura secretaria técnica, informou o gerente, pretende discutir diversos assuntos da Hidrovia Uruguai-Brasil. Entre eles estão: plano diretor, regulamentação da navegação, segurança aduaneira, licença ambiental, tráfego, implantação de terminais e concessões.

A Hidrovia Uruguai-Brasil terá 2.200km de extensão e passará no Brasil pelas lagoas dos Patos e Mirim, as duas no Rio Grande do Sul, e, pelo Uruguai. Tokarski complementou que estão previstos recursos no Programa de Aceleração de Crescimento (PAC 2) para construção e ampliação de terminais hidroviários, que facilitarão a logística na hidrovia.

Fonte: Agência Nacional de Transportes Aquaviários, ANTAQ.

2 comentários:

  1. Não seria o caso de ressuscitar a navegação no Jacui primeiro?? No Jacui já temos portos e armazens construidos. E o transporte de containers na Lagoa dos Patos, foi mesmo abandonado???

    Abraços, zilton

    ResponderExcluir
  2. Pode ser, Zilton. A navegação no Rio Jacui, no trecho a montante de São Jerônimo, restringe-se às embarcações da extração de areia. O terminal de Rio Pardo funciona, é especializado na movimentação de areia; o terminal de Cachoeira do Sul continua sem uso, e custou dinheiro aos cofres públicos (politicagem gera custos).O transporte hidroviário na hidrovia Rio Guaíba - Lagoa dos Patos realmente foi desativado, por inúmeras razões - frota apropriada disponível, fretes, demanda de cargas unitizadas, etc. Mas existem estudos bastante consistentes sobre demanda na hidrovia internacional da Lagoa Mirim, combinando seu uso com o Canal São Gonçalo e Lagoa dos Patos. Abraços.

    ResponderExcluir