Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Rio Grande - Furg testa cabo para campos do pré-sal

O Laboratório de Análises de Tensões (Policab) da Universidade Federal do Rio Grande (Furg) realiza teste de fadiga em cabo de ancoragem que poderá ser utilizado nas plataformas de exploração e produção dos campos petrolíferos do pré-sal. O teste segue o padrão do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento (Cenpes) da Petrobras, com cargas e tempos de atuação das mesmas preestabelecidos, até a ruptura final.

O objetivo é investigar fibras ideais para reduzir a deformação dos cabos sintéticos utilizados nessas plataformas offshore, quando submersos na água. Por isso, o teste se propõe a reproduzir as condições de trabalho em águas ultraprofundas onde as plataformas de pré-sal atuarão. "O peso próprio e o diâmetro dos cabos atuais, na profundidade do pré-sal, cuja lâmina d''água pode alcançar até 3 mil metros, dificultariam enormemente as operações de instalação", explica o coordenador do laboratório, professor Fulvio Chimisso.

Procedimento segue o padrão do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento 
da Petrobras. (Foto: Tammie Faria Sandri/Divulgação/CP)

Ele destaca que os cabos em uso, de uma maneira geral, utilizam poliéster normal e aqueles testados atualmente na pesquisa têm fibras mais leves e resistentes, que alongam menos e poderão ser ideais para águas ultraprofundas. A previsão de rompimento do material em teste é para amanhã, às 9h, após três dias de ensaio contínuo. Com base nos resultados de uma série de avaliações se poderá adquirir conhecimento sobre as características dessas novas fibras.

Nos cabos atuais, o procedimento, até ocorrer a ruptura, aproxima-se de 12%, ou seja, numa lâmina d''água de mil metros, corresponderia a um alongamento de 120 metros. Para aqueles das plataformas de pré-sal, os pesquisadores buscam a redução do alongamento na ruptura e também na carga de trabalho. O ensaio está sendo realizado para a empresa Lupatec-CSL, com supervisão do Cenpes-Petrobras.

Fonte: Correio do Povo, 08/07/2011. Cidades

Nenhum comentário:

Postar um comentário