Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

A importância dos canais artificiais para a navegação

por Sílvio dos Santos *

Os primeiros canais de navegação foram construídos antes da invenção das estradas de ferro e se tornaram o embrião da integração modal. O primeiro canal artificial foi o Grande Canal da China no século VI, na Europa o Navíglio Grande ligou Milão ao Mar Adriático no século XI e na França o Canal de Briare em 1642.

Na segunda metade do século XVIII nos Estados Unidos, surgiram os primeiros planos e projetos para a construção de canais artificiais ligando os rios navegáveis a áreas produtivas e também às principais cidades do próspero nordeste americano. Nesse período que se estende até 1830, denominado de Febre dos Canais, os estados do nordeste americano investiram pesadamente na construção de canais, barragens e eclusas, e estruturaram a rede de navegação fluvial.

O mesmo fenômeno ocorreu na Europa até a invenção da ferrovia, em 1825, que tomou o lugar da navegação fluvial como o transporte mais importante da época, pois a navegação fluvial atendia apenas as regiões banhadas pelos canais e rios navegáveis, enquanto as estradas permitiam somente o pequeno tráfego de cavalos e carroças.

Outros canais importantes foram construídos como o Canal do Midi, do Reno ao Danúbio, o Canal do Norte, o Canal do Marne do Reno, do Reno ao Ródano.

Principais canais artificiais de navegação: confira as datas de construção e localizações

Referência bibliográfica
Copyright © 1999-2005, Jean-Paul Rodrigue, Dept. of Economics & Geography, Hofstra University, Hempstead, NY, 11549 USA.

* Sílvio dos Santos foi gerente de Transportes Hidroviários e Marítimos da Secretaria de Infra-Estrutura de Santa Catarina e conselheiro dos CAPs dos portos de Imbituba, Itajaí e São Francisco do Sul. Mestre em engenharia pela UFSC, atualmente está cursando doutorado. Iniciou sua vida profissional como engenheiro da Cia. do Metropolitano de SP e trabalhou também na Ferrovias Paulistas S.A. (Fepasa), Ferrovia Norte Brasil (Ferronorte) e no Escritório Técnico Figueiredo Ferraz. Seus cursos de especialização em navegação fluvial, portos e ferrovias foram realizados na França com bolsa da ACTIM. Professor de Planejamento de Transportes na Poli-USP, no IME e na Universidade Católica de Santos, onde também lecionou a disciplinas Portos e Navegação Fluvial. Na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) foi professor de Ferrovias e Portos, Rios e Canais, durante o estágio de docência. Na Única, em Florianópolis, lecionou a disciplina Transportes e Seguros do Curso de Administração em Comércio Exterior. Atualmente, é engenheiro do Laboratório de Transportes e Logística no convênio da Secretaria Especial de Portos (SEP) com a UFSC. silvio@labtrans.ufsc.br

Fonte: PortoGente, 24/10/2011. Transporte Modal/Comércio Internacional

Nenhum comentário:

Postar um comentário