Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Casco da P-55 será rebocado para Rio Grande em dezembro

O casco da plataforma P-55, que está sendo construído em Suape, Pernambuco, já está com as duas partes (Cs) unidas e fora do dique. Está docado no cais desde julho, em fase de preparos finais e montagem de estruturas em seu interior. Na segunda quinzena de dezembro sai de Pernambuco, puxado por dois rebocadores oceânicos, em direção a Rio Grande. A informação foi dada nesta segunda-feira, 7, pelo gerente de administração do Polo Naval (denominação dada pela Petrobras à área do Estaleiro Rio Grande), Josenildo Bezerra Alves. O transporte até Rio Grande pode levar até 15 dias, dependendo das condições climáticas. Assim, o casco deve chegar no Município no final de dezembro ou início de janeiro. Ao chegar, ele atracará no cais Sul do estaleiro onde está localizado o primeiro dique seco de grande porte do País.

Foto: Petrobras/Divulgação/JA

Em janeiro, será realizado o içamento do deckbox (convés) da P-55, que está sendo construído pela Quip S/A no dique seco, para entrada do casco embaixo dele. O içamento do deckbox, cujo peso é de 17 mil toneladas, será realizado com o uso de seis macacos hidráulicos em ação simultânea. Para a entrada do casco, estrutura de 94 metros de comprimento, 94 de largura e 44 de altura, e peso de 19 mil toneladas, será feito o enchimento do dique com a água do canal de acesso ao porto. Depois que ele entrar, o deckbox será baixado sobre ele e o dique será esgotado para o início da união das duas estruturas. A operação toda de içamento e entrada do casco deverá durar 72 horas. Conforme a Petrobras, essa ação é considerada o marco mais desafiador do processo construtivo, exigindo planejamento minucioso e extenso processo de avaliação de riscos.

Por Fábio Dutra/JA

Conforme Josenildo Alves, até o início de junho de 2012 a plataforma tem que sair do dique seco, já com os módulos integrados ao deckbox, e atracar no cais sul do estaleiro para conclusão do comissionamento - interligação e testes de todos os sistemas. Os módulos que irão compor a P-55 já estão todos na área do estaleiro. O helideck também. A P-55 é uma unidade do tipo semissubmersível. Será a maior deste tipo construída no Brasil. Atuará no Campo de Roncador, localizado na Bacia de Campos. Ficará ancorada em profundidade de 1.800 metros e terá, no total, 18 poços a ela ligados, sendo 11 produtores e sete injetores de água. É destinada à produção de 180 mil barris de óleo por dia e, junto com o petróleo, deverá produzir 4,5 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia. Em sua construção, serão investidos 1,65 bilhão de dólares.

Por Fábio Dutra/JA

Novo pórtico-guindaste

Josenildo Alves confirmou que a Engevix/Ecovix, que está construindo uma série de oito cascos de FPSO (sigla em inglês para plataforma flutuante que produz, processa, armazena e escoa petróleo), para o Pré-sal no Polo Naval rio-grandino, está comprando, em parceria com a Petrobras, um pórtico-guindaste para o dique seco de maior capacidade que o atual. O já existente tem capacidade para erguer peças de até 600 toneladas. O novo será capaz de içar até 2 mil toneladas. O investimento será de R$ 191 milhões. Nesta parceria, há possibilidade de, em uma negociação futura, a Engevix conquistar contrato para construção de mais quatro cascos de FPSO para o Pré-sal. Ele ressalta que, no momento, ainda não há nada confirmado neste sentido.

O novo pórtico-guindaste, de 210 metros de largura, se faz necessário porque há peças com peso acima de 600 toneladas que precisam ser içadas, como alguns módulos que pesam 800 toneladas. Além disso, o atual equipamento só pega peças que estejam no dique ou em sua cabeceira, enquanto o novo possibilitará a implantação de uma área de pré-edificação lateral, considerando sua capacidade de movimentar estruturas que estejam na lateral do dique. "O pórtico que está sendo comprado vai agilizar as operações e nos dar um ganho de produtividade muito grande", observou. O estaleiro ficará com dois pórticos em atividade.

Por Carmem Ziebell
carmem@jornalagora.com.br

Fonte: Jornal Agora, Rio Grande. Jornal Agora

Nenhum comentário:

Postar um comentário