Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

N/M Frotargentina - A arte de jogar lixo no quintal dos outros

O navio N/M Frotargentina (agora N/M Frota), atracado desde fevereiro no Cais Mauá, finalmente deixou o Porto da Capital rumo à Índia, onde será objeto de desmanche por firma "especializada" em sucata naval. A retirada desse ferro-velho foi festejada por autoridades locais, preocupadas com a proteção do meio ambiente e com a limpeza do porto fluvial da Capital, pois o descarte do navio sucateado devolve a "vista limpa" do Cais Mauá.

Manobra de desatracação do N/M Frotargentina

Como é feito o desmanche de navios nas praias da Índia?.

A mão de obra nas praias da Índia, onde o principal ponto de desmanche está na Baia de Alang, é formada por um exército de trabalhadores maltrapilhos armados de marretas e maçaricos, machados, serras manuais, e muito improviso, e esforço físico. É um desmanche infame, uma espécie de campo batalha em forma de ferro-velho, mantido graças à miséria e os salários de fome pagos aos indianos e à inexistência de normas civilizadas de segurança do trabalho e de proteção do meio ambiente, o que torna esse tipo de negócio muito rentável.


Um exército de mais de 40.000 trabalhadores migrantes se amontoa nas favelas erguidas junto às carcaças de navios, trabalhando de pés descalços por salário mensal médio equivalente a 75 dólares. O trabalho nas praias abastece as usinas indianas com 2,5 milhões de toneladas de aço por ano. São quase 10 quilômetros de praia imunda, cheia de restos de navios, ferros retorcidos, materiais altamente tóxicos, como asbestos e manchas de óleo. O declive suave e a grande variação das marés permitem que os navios avancem até encalhar na areia, facilitando o trabalho, que é feito em condições rudimentares degradantes, subumanas, incluindo exploração de trabalho infantil.


Por pressão de organizações ecológicas, o Congresso dos Estados Unidos, formado por uma ampla maioria de defensores do capitalismo (lá não existe nenhum representante da causa socialista), proibiu a venda de navios americanos aos sucateiros indianos. Por razões que não chegam a ser de natureza socialista, mas apenas de defesa dos direitos básicos dos trabalhadores, o Brasil poderia seguir o mesmo caminho - proibir que o lixo naval brasileiro seja depositado nas praias da Índia. Não é nada ético jogar o lixo no quintal dos outros, nem incentivar a degradação absoluta do trabalho nos países dos miseráveis. Limpeza aqui, sujeira lá ...

Fontewww.blogmercante.

Alang - Agressão violenta ao Homem e ao ao meio ambiente (Google Earth)

Assista o vídeo "Baia de Alang, o cemitério de navios": http://youtu.be/1VHmf48i0SM

2 comentários: