Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

2011 - Porto de Pelotas, uma retrospectiva da estagnação portuária

A movimentação de cargas no Porto de Pelotas em 2011 sofreu uma queda de 22,84 % em relação ao ano passado


A tabela acima mostra a movimentação do Porto de Pelotas nos últimos oito anos e, em razão dos pequenos volumes de cargas movimentadas, confirma que esse porto está virtualmente desativado. Neste ano, trafegaram pelo Canal São Gonçalo 322.189 toneladas de carga, mas desse total apenas 24.899 toneladas são geradas no porto pelotense (7,72 %). Isso significa que mais de noventa por cento do tráfego aquaviário do Canal São Gonçalo é resultado da movimentação fora do cais, produzida por um terminal de uso privativo localizado fora da área do porto (TUP Cimbagé).

A navegação interior é responsável por 92,27 % do tráfego aquaviário no Canal São Gonçalo e, nessa medida, os gastos com dragagem de manutenção da hidrovia poderiam ser reduzidos, limitando-se à área da barra (Canal da Barra), com um calado máximo de 15 pés, correspondente a uma profundidade de 5 metros (4,57 m + 0,43 m), para um canal com uma largura máxima de 40 metros.

O gráfico abaixo permite visualizar a fraca movimentação do Porto de Pelotas.  


Na verdade, não existe justificativa técnica e econômica para os gastos do governo gaúcho com a manutenção dessas instalações portuárias em Pelotas, ainda que a cada troca de governo os partidos políticos disputem com ferocidade o único cargo em comissão existente na estrutura local. Não tem nenhuma importância eleitoral, mas certamente é o cargo comissionado mais caro do planeta ...

Nenhum comentário:

Postar um comentário