Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Apenas três lanchas estão atuando no transporte de passageiros

Mais uma embarcação foi retirada do serviço esta semana. Metroplan busca solução para o problema

Lancha Princesa Daiana foi retirada do serviço, pela Capitania  
dos Portos, na última quarta (Foto: Leandro Carvalho/Especial JA)

A situação do transporte hidroviário de passageiros na travessia entre Rio Grande e São José do Norte está preocupando a Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan). Desde 19 de dezembro, quando a lancha Mara foi interditada, o serviço vinha sendo feito por quatro embarcações. Na última quarta-feira, outra lancha - a Princesa Daiana - foi retirada do serviço pela Capitania dos Portos, uma vez que ela está com o certificado de segurança vencido e com uma série de deficiências técnicas a serem corrigidas. A partir dessa medida, apenas três lanchas estão fazendo o transporte de passageiros na travessia.

Devido a esse problema, o diretor de Transporte Metropolitano, da Metroplan, Marcus Damiani, acompanhado do coordenador de Sistema Hidroviário, Paulo Ricardo Osório, veio para Rio Grande na tarde desta quinta-feira. Conforme Damiani, o atendimento aos usuários do serviço ficou mais difícil. E como as embarcações em atividade estão trabalhando praticamente de forma ininterrupta para atender todos os horários que vêm sendo feitos, a manutenção das lanchas, que costuma ser feita nos períodos de menor movimento, fica prejudicada. "Essa situação toda está nos preocupando. Mas em primeiro lugar está a segurança dos usuários, o que não existia na Princesa Daiana", relatou, depois de ter estado na Capitania dos Portos buscando mais detalhes sobre a situação da lancha retirada da travessia.

O diretor de Transporte Metropolitano disse que a população usuária vai ter que entender o que está ocorrendo e esperar que a Metroplan consiga resolver o problema. Na próxima segunda-feira, a Metroplan enviará um documento à empresa proprietária da Princesa Daiana informando que, num prazo de 15 dias, ela terá que substituir a embarcação retirada do serviço. Segundo ele, a lei estabelece que a empresa tem que fazer a substituição ou poderá ter cassada a permissão para atuar na travessia.

O capitão dos portos, Sérgio Luiz Correia de Vasconcelos, informou que a Princesa Daiana foi afastada do transporte hidroviário de passageiros a partir de relatório emitido por um vistoriador naval da Marinha. O vistoriador examinou a embarcação e apontou uma série de pendências técnicas, das quais oito são impeditivas da atuação da lancha no transporte hidroviário de passageiros.

A empresa está com o certificado de segurança vencido e a capitania precisa da aprovação dos planos da embarcação para emitir novo certificado. E para que isso ocorra, as exigências técnicas feitas pelo vistoriador precisam ser providenciadas pela empresa. "A preocupação da Marinha com as embarcações de transporte de passageiros vem aumentando e as exigências têm sido mais rigorosas. As lanchas antigas têm que se adaptar", concluiu Vasconcelos.

Por Carmem Ziebell
carmem@jornalagora.com.br

Fonte: Jornal Agora, Rio Grande. Travessia RG/SJN

2 comentários:

  1. asituaçao so ta assim porque nao querem colocar a lancha mara e o empresario da mara tem outra lancha que se chama cearense nova. e naum sei porque ele naum coloca se tiver a mara e a essa lancha nova .. vai melhorar uns 90% sou usuaria e sei que se tomarem essa medida estara tudo resolvido

    ResponderExcluir
  2. concordo cm esta usuaria a medida a ser tomada é esta;; e tem que ser urgente,, por favor falem cm o proprietario da mara ..

    ResponderExcluir