Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

segunda-feira, 12 de março de 2012

Ligação Rio Grande/São José do Norte - Proposta de túnel ameaça expansão do porto marítimo e o transporte hidroviário

Empresa apresenta projeto para ligação a seco entre Rio Grande e São José do Norte

A Superintendência do Porto do Rio Grande recebeu, na tarde desta sexta (9), o diretor da empresa Boskalis do Brasil, Miguel Pires, e o gerente da SMIT Rebras em Rio Grande, Richard Grantham, juntamente com o deputado estadual Alexandre Lindenmeyer para apresentação de um projeto sobre a ligação a seco entre as cidades do Rio Grande e de São José do Norte.

Travessia Rio Grande/São José do Norte (Passageiros)

Na apresentação para a direção e a equipe de engenheiros da SUPRG, Pires defendeu a ideia da construção de um túnel subaquático como acesso entre as duas cidades. Os empresários explicaram o processo para a construção do túnel utilizando como exemplo o projeto que já está em desenvolvimento no México. Neste caso, a obra terá duração de 1 ano e meio e o túnel terá extensão de 1.200 metros, sendo que a colocação de cada módulo leva em torno de 10 dias. Para a cidade do Rio Grande, seria preciso definir um local para a construção do túnel e, a partir disso, precisar uma extensão e estimar um custo para a obra.

Para o superintendente do Porto, Dirceu Lopes, a escolha da melhor alternativa para a ligação entre as cidades deve levar em conta o crescimento do Porto do Rio Grande. “Temos a necessidade dessa ligação a seco. Iremos desenvolver conversas com o governo estadual e o governo federal na busca de viabilizar essa melhoria. Entretanto, é preciso avaliar a melhor opção que não inviabilizaria uma das nossas vantagens, que é a possibilidade de ter calado condizente com o constante crescimento de tamanho dos navios”, observou.

Travessia Rio Grande/São José do Norte (Veículos/Carga)

O deputado Alexandre destacou a importância de debater o projeto para a ligação. “É um momento em que temos que unir esforços no sentido de buscar parceiros com interesse de possibilitar essa ligação entre os municípios. Precisamos receber um número significativo de propostas, não só em relação ao local mais adequado para o túnel, mas também para a definição da ligação através de um túnel, uma ponte ou até um sistema híbrido”, disse.

O assunto será levado até o governo federal através do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e ao governo estadual através da Secretaria de Infraestrutura e Logística e da Secretaria de Desenvolvimento do RS. A Boskalis é uma empresa holandesa, com sede no Brasil, que atua com dragagem e obras subaquáticas. A empresa tem experiência na construção de túneis subaquáticos modulares.

Fonte: Jornal Agora, Rio Grande. São José do Norte

NOTA DO EDITOR

Apesar da existência de uma ligação natural entre Rio Grande e São José do Norte, proporcionada pela Natureza - a ligação hidroviária, que permite a circulação de passageiros, veículos e cargas entre os dois municípios, de baixo custo e que pode ser modernizada com melhores embarcações e terminais, os empreiteiros insistem com obras rodoviárias desse tipo, que acabam com o transporte hidroviário e restringem/inviabilizam o desenvolvimento futuro do porto marítimo.

Além disso, não há qualquer preocupação com a viabilidade econômica do projeto, através de um estudo sério que comprove a relação benefício/custo que, necessariamente, teria que ser mais vantajosa do que a relação benefício/custo da atual alternativa hidroviária. A demanda existente, do ponto de vista econômico, justifica o volume de de recursos a serem gastos com a construção de um túnel (ou de uma ponte)? Qual é o prazo de retorno desse investimento?

Com certeza, a atual alternativa - travessia hidroviária de passageiros, veículos e cargas é a de menor custo social, porque utiliza uma hidrovia natural e, da mesma forma, é a alternativa que apresenta o menor custo ambiental, o que é uma característica do transporte hidroviário. A sociedade deve estar muito atenta com esse tipo proposta defendida por empreiteiros e políticos, que envolve obras faraônicas em detrimento de alternativas sustentáveis em termos de economia e meio ambiente. 

10 comentários:

  1. isso eh pq vc nunka esteve no local para ver como funciona de verdade o transporte.
    logistica nao existe na cidade, pois os caminhoes q transportam suprimentos para a cidade ou outras cidades proximas, como tavares e mostardas, xegam a levar 4, 5 dias soh para atravessar e ainda tem q voltar novamente.
    o transporte d passageiros nem c fala. lanchas ruins, sujas e q nao comportam o transporte da população q aki vive e precisa trabalhar em Rio grande.
    fora a facilidade q seria xegar e sair do porto d Rio Grande desafogando a RS 734 q mata muita gente com o grande numero d caminhoes e carros. a pouco tempo fizerao uma ponte em manaus na amazonia e gastaram + d 1 bilhao pq nao fazr aki e resolver os problemas, se os politicos roubam nas obras publicas isso eh outro assunto, axo melhor visitar a cidade de são jose do norte para tirar melhores cnclusoes!!!

    ResponderExcluir
  2. É fácil pensar assim quando não se utiliza desse transporte natural, quem realmente precisa fazer essa travessia e fica horas esperando para conseguir embarcar, fica muito contente e feliz com esse projeto, passe a utilizar os meios antes de opinar.

    ResponderExcluir
  3. Sei que o transporte hidroviário de passageiros e veículos entre Rio Grande e São José do Norte é de baixa qualidade, caro e inseguro. Mas isso não significa que não seja a alternativa mais viável do ponto de vista técnico, econômico, social e ambiental. O poder público tem que investir mais nessa travessia, e exigir mais dos permissionários em termos de conforto, rapidez, segurança e modicidade tarifária. As falhas atuais não são intrínsecas ao transporte hidroviário, que é a melhor alternativa de travessia (em outros países, pelo menos, é assim). Quanto ao direito de opinião, creio que tenho alguma condição de conhecimento prático e teórico sobre o assunto - já fiz essa travessia várias vezes, bem como realizei levantamentos no local (inclusive em SJN), e executei o projeto do canal Miguel da Cunha para fins de balizamento (não existia projeto, nem rota de alta precisão por satélite, até poucos anos atrás, e sua existência não era reconhecida em carta náutica). Não sou de SJN, nem de RG, mas é sabido que "santo da casa nem sempre faz milagres ...". Portanto, vou continuar opinando, pois acredito ter conhecimento e experiência sobre o assunto. E se não tivesse, ainda teria direito de opinião.

    ResponderExcluir
  4. ja tao se sacanagem, ontem leveii 2:30h pra fazer atravessia de RG para SJN, c tivec uma ponte ia leva 10 mim ou ate menos ¬¬. faz uma ponte ou um tunel ou sei lá oque, mais chega de lancha de balça, o povo daki de SJN esta cheio disso.

    ResponderExcluir
  5. Evidentemente que a travessia por lanchas e balsas seria a mais viável, economicamente. Ocorre que a construção do Estaleiros do Brasil S.A., que empregará 20.000 pessoas altera essa hipótese.
    Como São José do Norte ainda não tem a possibilidade de absorver toda essa quantidade de trabalhadores, a maior parte deles residiria em Rio Grande.
    Sem ponte ou túnel, utilizando apenas lanchas, quantas travessias seriam necessárias para levar esses trabalhadores até ao estaleiro?
    Ponte ou túnel é a solução. Alguém contra?

    ResponderExcluir
  6. OLÁ PESSOAL BELEZA, OLHA SÓ RIO GRANDE E SÃO JOSÉ DO NORTE SÃO 2 CIDADES MUITO ATRASADAS EM TUDO AS PESSOAS TEM PENSAMENTOS PEQUENOS TA NA HORA DE MUDAR ISSO TUDO,EU QUE MOREI EM SANTA CATARINA E VOU PARA LÁ AS VEZES PARA FLORIANÓPOLIS VOCES NEM TEM IDÉIA DO QUE É UMA CIDADE COM QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO PROGRESSO EDUCAÇÃO INDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO GRANDES INVESTIMENTOS OS MELHORES ATENDIMENTOS NA ÁREA DA SAÚDE ISSO É SANTA CATARINA,AGORA VOLTANDO A RIO GRANDE E SJ DO NORTE VOCES TEM QUE DEIXAR DE SEREM MESQUINHOS E AJUDAREM A DESENVOLVER SUA CIDADE PARA ATRAIR TURISTAS ESSE PREFEITO DE RIO GRANDE E SJ DO NORTE NÃO FIZERAM NADA DURANTE TODOS ESSES ANOS AS 2 CIDADES ESTÃO JOGADAS AS TRALHAS TEM QUE INVESTIR FAZER UMA PONTE MUITO BONITA QUE LIGUE RIO GRANDE A SÃO JOSÉ DO NORTE COMO FIZERAM EM FLORIPA MAS COM DESIGN MODERNO E DIFERENTE CLARO NÉ USANDO CRIATIVIDADE,TEM QUE MUDAR TUDO EM SJ DO NORTE E RIO GRANDE PAAR ELAS CRESCEREM E SE DESENVOLVEREM TRAZENDO PROGRESSO E DESENVOLVIMENTO PARA AS 2 CIDADES PROSPERAREM COMO POR EX:SHOPPING CENTERS HOTÉIS PONTES TÚNEIS TRAZER NOVIDADES PORQUE RIO GRANDE E SÃO JOSÉ DO NORTE VIVEM SÓ DO PASSADO TÁ NO HORA DE EVOLUIR E CRESCER OK BOA SORTE A TODOS E FAÇAM POR MERECER ABRAÇO!.

    ResponderExcluir
  7. Este editor nunca esteve em SJN, nem sentiu o q eh chegar atrasado para pegar a balsa.

    ResponderExcluir
  8. A situação de SJN é ridícula! Parece que estamos no século X!

    Como pode alguém, ainda, ser contra, sendo economicamente isento e vivenciando essa situação?

    Se perder uma das 2 balsas do dia, ou fica em SJN, numa pousada de R$ 90,00/noite (em instalações igualmente medievais, que não poderiam passar de R$ 20,00/dia) ou então vai pra estrada, até Porto Alegre, para voltar a Rio Grande!!!

    Tal situação passa do ridículo e beira a insanidade!

    Senhores políticos que "nos representam", FAÇAM alguma coisa. AJAM, em vez de ficarem "ELABORANDO projetos", "ESTUDANDO a viabilidade", "REUNINDO esforços", "criando COMISSÕES"...

    A coisa é pra ontem! Esse transporte é uma VERGONHA! Fico constrangido quando tenho de explicar a cada cliente que vem de fora ou de outros países que resido num lugar onde fico ilhado ou só tenho 2 balsas por dia pra ir e vir, num trajeto de HORAS!!

    ResponderExcluir
  9. Quando tem muito vento ou chuva tudo para. E muitos trabalhadores ficam em ambos os portos esperando a liberação, em meio a chuva, vento, e frio.

    ResponderExcluir
  10. Moro em Rio Grande a 38 anos e já existia a pergunta: ponte ou ligação a seco?
    ATÉ QUANDO COM ISSO Sres PREFEITOS?
    MARIA (APOSENTADA)

    ResponderExcluir