Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

terça-feira, 29 de maio de 2012

Justiça libera instalação de estaleiro no Superporto de Rio Grande

Desembargador avaliou que escolha do local é política, mas embasada pelos meios legais


Justiça libera instalação de estaleiro no Superporto de Rio Grande
Crédito: Gerson Pantaleão/Especial CP

A 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) liberou a instalação de estaleiro no Superporto de Rio Grande pela empresa Wilson Sons Comércio, Indústria e Agência Nacional de Navegação. A decisão ocorreu na última semana, mas foi publicada nesta segunda-feira. A instalação foi impedida em dezembro de 2011 por liminar obtida pelo Ministério Público Federal (MPF) junto à 1ª Vara Federal de Rio Grande. Em janeiro de 2012, o tribunal proferiu despacho liberando a colocação do estaleiro.

O MPF ajuizou ação civil pública alegando que haveria mau uso da área em questão, que seria a única adequada para receber um segundo terminal de contêineres. Com a colocação do estaleiro, a área estaria perdida. Além disso, estaria havendo alteração no Plano de Desenvolvimento e Zoneamento do porto, com favorecimento de empresas em detrimento de concorrência.

Crédito: www.petronotícias.com.br

O Estado do RS recorreu ao tribunal pedindo a suspensão da liminar. O relator do processo na corte, desembargador federal Luís Alberto d’Azevedo Aurvalle, entendeu que os argumentos apresentados pelo MPF são de ordem técnica e envolvem escolhas políticas sobre a forma de administrar o Porto de Rio Grande. “A questão encerra uma opção da Administração no espaço de discricionariedade que lhe é reservado”, afirmou.

Para Aurvalle, não há nos autos prova de desvio de finalidade ou de ilegalidade na alteração realizada no Plano de Desenvolvimento e Zoneamento do porto. “Mesmo que haja indícios de que tecnicamente a obra é nociva ao interesse público, não cabe socorrer-se do Judiciário, desde que o administrador público esteja agindo dentro da legalidade”, concluiu.

Fonte: Correio do Povo, Economia

Nenhum comentário:

Postar um comentário