Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Lagoa dos Patos - Captura de camarão agrada a pescadores

Para a categoria, o problema da safra é o baixo preço pago pelo produto

 
Produção no estuário da Lagoa dos Patos pode ter chegado, neste
ano, a 6 mil toneladas do crustáceo. Foto: Deyver Dias/Especial/CP

A safra de 2012 de camarão no estuário da Lagoa dos Patos foi uma das melhores dos últimos anos. A afirmação é do presidente do Fórum da Lagoa dos Patos, Dejair Oliveira, que também é secretário da Colônia de Pescadores Z-8, de São Lourenço do Sul. O secretário da Pesca de Rio Grande, Carlos André Baptista, e o presidente do Sindicato dos Pescadores da Colônia Z-3, de Pelotas, Nilmar Conceição, concordam que a safra, iniciada em 1 de fevereiro e já em fase final, foi muito boa. Oliveira relata que está sendo feito um levantamento da quantidade capturada. Já Baptista observa que é difícil precisar quanto foi a produção, mas explica que há estimativas de que a quantidade pode ter chegado a 5 ou 6 mil toneladas.  

Conceição diz acreditar que a produção seja equivalente à de 2000, que, segundo dados da época, teria sido de 6 mil toneladas. Atualmente, há pouco camarão na maior parte do estuário, pois, devido ao frio, o crustáceo se enterra ou sai para o oceano, segundo o secretário Baptista. Conforme ele, em determinados pontos ainda aparece um pouco de camarão e alguns pescadores colocam as redes. Porém, quando conseguem pescar, a quantidade é de 3 a 6 quilos por noite. No auge da safra, capturavam de 200 a 800 kg a cada noite. Na região de Pelotas, ainda há um pouco mais de camarão. Nilmar Conceição diz que a espécie continuará aparecendo até 20 deste mês, em função do calor dos últimos dias. 

Na avaliação do secretário Baptista, o problema desta safra refere-se à comercialização. O preço pago aos pescadores pelos compradores e atravessadores foi baixo: de R$ 2,00 a R$ 5,00 o quilo com casca. E houve falta de revendedor em algumas áreas de Rio Grande. Na venda direta ao consumidor, os trabalhadores da pesca artesanal do município conseguiram melhor preço. Em Pelotas, segundo Nilmar Conceição, a expectativa era que o valor fosse de R$ 6,00 o quilo, mas nunca chegou a isso. Já na região de São Lourenço do Sul, conforme Dejair Oliveira, o preço começou em R$ 3,50 e alcançou R$ 7,00 o quilo com casca.

Fonte: Correio do Povo, Cidades.

Nenhum comentário:

Postar um comentário