Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Bacias hidrográficas no RS recebem dejetos produzidos por 6,5 milhões de gaúchos


Em apenas 39 quilômetros de curso, o Rio Gravataí condensa o trajeto da vida à morte imposto aos rios gaúchos pelo descaso com o esgoto e as águas. Ele nasce cristalino, em santuários naturais entre Glorinha e Santo Antônio da Patrulha. No seu trecho inicial, sustenta 37 espécies de anfíbios, dá de beber a capivaras, jacarés, antas e macacos e abriga os últimos cervos-do-pantanal do Estado.

Depois, vai sendo assassinado quilômetro após quilômetro. Transformado em principal cano de esgoto de uma população de 1,2 milhão de pessoas, agredido por resíduos industriais e dessangrado pelas lavouras, chega ao fim da sua jornada escuro, fétido, sem vida.

O Delta do Jacuí, seu desaguadouro, é uma espécie de necrotério de rios, onde o Gravataí se reúne a um punhado de moribundos companheiros de sina. Em 2010, quando o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) elegeu os cursos de água mais ameaçados do país, para analisá-los no estudo Indicadores do Desenvolvimento Sustentável, nada menos do que três rios que desembocam no Delta apareceram entre os 11 considerados mais críticos: o Gravataí, o Sinos e o Caí.

A situação mais alarmante é a do Sinos, rio que serve de cloaca a munícipios como Canoas – ranqueada em um estudo recente do Instituto Trata Brasil como a oitava cidade com pior saneamento do país, entre 81 municípios com mais de 300 mil habitantes. No estudo do IBGE, foi calculada a chamada Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO), a quantidade de oxigênio necessária para degradar a matéria orgânica presente na água (oriunda do esgoto doméstico, principalmente).

O Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) estabelece um limite de 5 miligramas por litro para as águas da classe do Sinos e do Gravataí usadas no abastecimento público. Em 2005, o Sinos chegou a um DBO médio de nove miligramas por litro.

— Quatro já acende o sinal amarelo. Mas, quando passa de cinco, a situação é crítica — diz o biólogo Clebes Brum Pinheiro, da Fundação Estadual de Proteção Ambiental.

É desses rios em agonia e do Guaíba – no qual desembocam nove bacias hidrográficas transformadas em desaguadouro da maior parte do esgoto produzido por 6,5 milhões de gaúchos – que sai a água que bebemos.

O coordenador do Programa de Pós-graduação em Recursos Hídricos e Saneamento da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Carlos André Bulhões Mendes, que também integra o Conselho Técnico Consultivo do SENGE, estima que, por falta de preocupação com o saneamento, 12 mil litros de esgoto sejam despejados por segundo nos rios que alimentam o Guaíba – 1 bilhão de litros de dejetos por dia.

Transformar esse manancial contaminado em água potável, mostram estudos, sai mais caro do que custaria dar um destino apropriado ao esgoto. E o resultado final levanta dúvidas. Jogados sem tratamento nos recursos hídricos, os dejetos contêm substâncias que não são eliminadas da água.

A imundície também servirá de combustível para a proliferação das algas que conferem sabor ruim à água fornecida na Capital. E essa é só uma parte dos efeitos do riocídio cometido pelos gaúchos.

— Se os peixes não morrem, ficam contaminados. Na lavouras, é comum fazer a irrigação com água poluída. E há ainda a multiplicação das áreas impróprias para banho — lista o presidente-executivo do Instituto Trata Brasil, Édison Carlos.

Guardião de uma das nascentes do Gravataí, Noederci da Silva Santos, 56 anos, lamenta que não se reproduza em todo o curso do rio o capricho que ele dedica à Fonte Imperial, em Santo Antônio da Patrulha. Ele não crê que o líquido da torneira é o mesmo que um dia saiu da fonte.

— Em Porto Alegre a água tem gosto. Como pode? Olha como ela sai limpa daqui — observa o servidor público.

Fonte: Zero Hora, 06/06/2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário