Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

sábado, 25 de agosto de 2012

Rio dos Sinos - Nidera aguarda liberação para terminal em Canoas

A companhia Nidera Sementes esperava já ter oficializado seu projeto de construção de um terminal portuário às margens do Rio dos Sinos, em Canoas, para movimentar produtos como soja, milho e trigo. No entanto, a implementação da estrutura ainda espera pela alteração do plano diretor do munícipio. A proposta foi encaminhada pela prefeitura à Câmara de Vereadores onde aguarda votação.


“A dificuldade em vencer os prazos esteve basicamente nas várias dúvidas técnicas suscitadas no âmbito do Conselho Municipal de Meio Ambiente, em especial quanto ao conflito de usos náuticos do Rio dos Sinos, considerando o projeto de ecoturismo da praia de Paquetá desenvolvido pelo município”, afirma o prefeito de Canoas, Jairo Jorge. Ele acrescenta que a área técnica da Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH) foi consultada sobre o assunto.

Segundo o dirigente, a autarquia estadual manifestou que são irreconciliáveis as duas atividades (da Nidera e de ecoturismo). Contudo, conforme informação da assessoria de imprensa da SPH, a competência da autarquia diz respeito à utilização da hidrovia, e a entidade não vê impedimentos técnicos para o uso do Rio dos Sinos por barcaças.


O prefeito adianta que pretende reunir-se nos próximos dias com os técnicos da SPH para discutir novamente o tema. Jorge explica que o projeto de ecoturismo pretende ser o portal de acesso do parque estadual do Delta do Jacuí no território de Canoas, valorizando a praia de Paquetá, onde haverá investimentos públicos. Além disso, na zona turística, ao lado da área desejada pela Nidera, na margem do Rio dos Sinos, próximo à BR-448, existe uma proposta de implantação de um projeto do setor privado, com hotel, centro de convenções e marina pública no valor de R$ 410 milhões, que irá alavancar esta região, conforme Jorge. Apesar do conflito das duas atividades, o prefeito enfatiza que a “prefeitura está realizando todos os esforços para garantir que o investimento da Nidera seja realizado na cidade”.


A intenção da empresa era de iniciar as obras da primeira fase do complexo, que compreende o terminal de transbordo rodo/hidroviário, no próximo ano. Com investimento de R$ 50 milhões, serão feitos silos verticais com capacidade total de armazenagem de 1,75 milhão de sacas e um cais comercial para barcaças. A segunda etapa, para ser desenvolvida a partir de 2015, abrange a ampliação da capacidade de armazenagem totalizando 3,5 milhões de sacas. Essa ação absorverá mais R$ 20 milhões. A terceira, prevista para 2018, é composta pela construção de fábrica para esmagamento de soja com capacidade para 11 milhões de sacas anuais e de planta com capacidade para produção de 100 milhões de litros de biodiesel ao ano. O investimento nessa fase será de R$ 200 milhões. No momento, os dirigentes da Nidera preferem não se manifestar publicamente e aguardam as ações da prefeitura.

Fonte: Jornal do Comércio, Logística.

Nenhum comentário:

Postar um comentário