Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

sábado, 7 de dezembro de 2013

EPTC e Metroplan estimam catamarã para zona sul de Porto Alegre até o Natal

Burocracia em obter licenças para a operação da hidrovia é apontada como entrave


Atrasada há mais de um ano, a extensão do catamarã até a zona sul de Porto Alegre ainda não deslanchou. A burocracia em obter licenças para a operação da hidrovia é apontada como entrave, mas a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) e a Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan) apostam que o serviço sairá do papel até o Natal.

Em menos de 20 dias, o barco deve ganhar as águas do Guaíba em frente ao BarraShoppingSul.

Após a apresentação de estudos técnicos que não foram aceitos pela Marinha, os órgãos envolvidos se viram obrigados a contratar uma empresa credenciada junto à autoridade marítima.

Agora, são aguardadas as análises de batimetria – medição e verificação da profundidade do Guaíba – e o projeto de sinalização para obter a liberação da linha.

– Estamos na fase de contratação da empresa que fará o serviço. As definições técnicas já estão consolidadas, mas os ritos de contratação impostos pelo Estado acabaram implicando atraso. O que precisamos é comprovar que não haverá riscos ao usuário – explica o superintendente da Metroplan, Oscar Escher.

Mas o capitão de fragata da Marinha Carlos Henrique Zampieri diz que o cumprimento da previsão otimista não é tão simples. Segundo ele, depois de concluídos os estudos, a tramitação deve ser breve – mas o processo licitatório ainda está em análise.

Fonte: Zero Hora, Ancorado.

NOTA DO EDITOR

A aprovação do projeto de nova linha hidroviária depende de batimetria (levantamento das profundidades) do percurso a ser navegado pelas embarcações catamarãs, para assegurar que o trajeto apresenta segurança (calado suficiente) para o transporte hidroviário de passageiros.

A batimetria deve ser feita por empresa habilitada junto à Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN) da Marinha do Brasil, conforme estabelece a norma técnica da Marinha (Normam 17). As empresas que pretendem realizar batimetrias no Brasil devem obter credenciamento junto à DHN/MB, comprovando que têm condições técnicas para tal (pessoal qualificado e experiente, software hidrográfico, equipamentos - sonda hidrográfica/DGPS, e embarcação apropriada).

A Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH) obteve esse credenciamento junto à Marinha do Brasil na época em que fui chefe da Divisão de Estudos e Projetos (DEP/DH) da autarquia, em razão da qualificação da equipe técnica, do trabalho realizado na implantação de moderno sistema de batimetria e da experiência adquirida em levantamentos feitos nos canais de navegação da Lagoa dos Patos, Canal São Gonçalo, Rio Guaíba e dos rios Jacuí, Taquari, Caí, Sinos e Gravataí.

Mas a política tomou conta do Estado, em detrimento dos critérios técnicos (em prejuízo da meritocracia), e não sei qual é a situação atual da SPH ... 

Assim, o atraso não é devido à burocracia, é por causa da incompetência do setor privado que, desconhecendo normas técnicas básicas, contratou uma empresa que não está credenciada junto à DHN/MB. Perderam tempo e dinheiro ... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário