Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Nepotismo - Irmãos de deputados são indicados a cargos no governo estadual

Parentes de parlamentares aliados ao governo gaúcho foram escolhidos para direções no segundo escalão. Para especialistas, situação pode configurar nepotismo

 * Cleidi Pereira

Pelo menos quatro irmãos de parlamentares que integram a base de apoio do governo José Ivo Sartori (PMDB) foram nomeados para cargos em órgãos e autarquias do governo estadual. Além do parentesco com deputados aliados do Piratini, os dirigentes do segundo escalão têm em comum o perfil político: dos quatro, três já ocuparam cargos eletivos municipais. Figuram nessa lista os irmãos dos deputados estaduais Adilson Troca (PSDB), Edson Brum (PMDB), Alexandre Postal (PMDB) e Gilberto Capoani (PMDB).

Adinelson Troca assumiu como diretor administrativo-financeiro da Superintendência do Porto de Rio Grande. Edivilson Brum, está na presidência da Companhia Riograndense de Mineração (CRM). Fernando Postal é diretor da Banrisul SA Administradora de Consórcios. Luiz Alcides Capoani comanda a Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH).

Essas nomeações poderiam configurar nepotismo? A resposta para essa pergunta divide especialistas. Para o cientista político Hermílio Santos, professor da PUCRS, como a situação envolve poderes distintos e os indicados não estão sob comando dos próprios irmãos, o caso não poderia ser enquadrado como nepotismo.

Professor titular de direito constitucional da UFRGS e da Fundação Escola Superior do Ministério Público, Eduardo Carrion discorda da avaliação. Para ele, "trata-se de prática inequívoca de nepotismo", embora não alcançada pela súmula vinculante n° 13, do Supremo Tribunal Federal (STF). As nomeações denotariam favorecimento dos vínculos de parentesco. O mesmo vale, segundo Carrion, para o caso da primeira-dama Maria Helena Sartori, que ganhou status de secretária.

Proibição está na Constituição

– Na administração pública brasileira há não só excesso de cargos em comissão, ou seja, nomeados sem concurso público, como há a prática generalizada de nepotismo. A súmula procura limitar essa prática perniciosa para a administração pública e para a sociedade, mas ela não contempla todos os casos possíveis – disse.

Os especialistas concordam que, embora possam não ser ilegais, as nomeações são imorais. Santos acredita que a decadência econômica do Estado ajuda a revigorar práticas como essa que remontam ao século 19.

– O problema é que o irmão julga, aprova ou não atos do Executivo. Então, trata-se de uma prática política que não é de todo republicana e mostra a simplificação política e retrocesso do Estado – afirma o professor da PUCRS.

Em 2008, quando aprovou a súmula n° 13, o STF esclareceu que a proibição do nepotismo já está prevista na Constituição. Com a decisão do STF, também foi vedado o chamado nepotismo cruzado, quando familiares de um agente público são empregados por outro.

– O nepotismo é uma das causas da ineficiência da nossa administração pública. Cada cidadão sofre no seu dia a dia as consequências terríveis de uma administração pública ineficiente, onde o desperdício de recursos públicos e de corrupção são generalizados, com raríssimas exceções – afirma Ligia Pavan Baptista, professora de Ética e Filosofia Política da Universidade de Brasília (UnB).

O que diz Márcio Biolchi, chefe da Casa Civil 

Nenhuma das indicações foi feita pelos deputados. O critério que temos utilizado é o conhecimento técnico e a experiência política condizente com a função


Nota do Editor

Experiência política? Os cargos de direção na estrutura pública estadual referem-se, geralmente, às áreas técnica, jurídica, administrativa e financeira. Na área técnica, dependendo da entidade pública, é necessário ter conhecimento profissional e experiência técnica compatíveis com o respectivo cargo (energia, saneamento, agricultura, pecuária, rodovias, hidrovias, mineração, etc.). Assim, para todas as áreas - técnica, jurídica, administrativa e financeira, a qualificação profissional e a experiência dizem respeito às características de cada área. Não tem nada a ver com experiência política! Quem tem experiência política são os políticos profissionais, em razão de vários mandatos...

Quem são os nomeados e o que dizem seus irmãos deputados

Adinelson Troca 

Irmão do deputado Adilson Troca (PSDB), assumiu o cargo de diretor administrativo-financeiro da Superintendência do Porto de Rio Grande. Foi vice-prefeito de Rio Grande. É filiado ao PSDB.

O que diz Adilson Troca (PSDB) 

Adinelson foi vice do Fábio Branco (atual secretário de Desenvolvimento do Estado e ex- prefeito de Rio Grande). Então, o convite partiu do Fábio e do Janir Branco (superintendente do porto e primo de Fábio). Entra na cota do PSDB, mas a iniciativa foi deles. Ele me comunicou que tinha recebido o convite, e não vejo impedimento. Ver Adilson Troca visita SUPRG.

Edivilson Brum 

O novo presidente da Companhia Riograndense de Mineração (CRM) é irmão do atual presidente da Assembleia, Edson Brum (PMDB). Formado em ciências políticas e gestão pública, foi vereador, prefeito e vice de Rio Pardo e presidente da Sulgás.

O que diz Edson Brum (PMDB)

Não vejo nenhum tipo de ilegalidade ou imoralidade. Ele tem mais mandatos do que eu: foi vereador, vice-prefeito e prefeito reeleito de Rio Pardo. É formado em administração pública, já foi presidente da Sulgás e é especialista na área de energia. Não foi indicação minha, foi do partido como um todo, inclusive defendida dentro da bancada por outros deputados. Ele é um técnico político e, como dizem brincando lá em casa, entre os Brum, é o melhor. Não é indicação por parentesco, é por qualidade mesmo.

Nota do Editor

O novo presidente da CRM não é especialista em energia, pois ocupar indevidamente um cargo, por um curto espaço de tempo, sem ter formação técnica nem experiência na área energética, não faz do leigo um especialista. Até prova em contrário, os especialistas em energia costumam ter formação técnica e experiência em engenharia (elétrica, mecânica, etc.) ...

Fernando Postal 

Irmão gêmeo do deputado Alexandre Postal (PMDB), é diretor da Banrisul SA Administradora de Consórcios – já exerceu a função em 2006 e de 2007 a 2011. Foi presidente da Fundação de Desenvolvimento de Recursos Humanos (FDRH) em 2006. Formado em gestão pública, é vereador de Guaporé, cidade da qual já foi prefeito (1997 a 2004).

O que diz Alexandre Postal (PMDB)

Em primeiro lugar, ele é um ente político. Ele faz parte do partido, é vereador, foi prefeito duas vezes da cidade de Guaporé e já ocupou essa função, já foi presidente do consórcio também. Tanto no governo Rigotto quanto no de Yeda, ele participou, em um como presidente da FDRH e no outro como diretor da (Banrisul) Consórcios. Então, é uma área onde já atuou, que conhece bem, e é um membro do partido indicado pela região. Não existe nenhuma ilegalidade ou imoralidade.

Luiz Alcides Capoani 

O engenheiro civil, irmão do deputado Gilberto Capoani (PMDB), passou a comandar a Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH). Foi presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Sul (Crea/RS).

O que diz Gilberto Capoani (PMDB) 

Eu não indiquei. Tenho até uma dificuldade de relacionamento com ele. Tem que perguntar para ele quem é o padrinho dele, porque eu não sou. Ele tem a vida dele e eu tenho a minha.

Nota do Editor 

O novo superintendente da SPH, Luiz Alcides Capoani, foi secretário municipal de obras de Sertão/RS, prefeitura que foi administrada várias vezes por seu irmão, deputado Gilberto Capoani.

Filho de deputado federal é diretor da Metroplan

Não foram apenas irmãos de parlamentares que assumiram cargos recentemente no Executivo estadual. Filho de deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM), o veterinário Rodrigo Marques Lorenzoni foi indicado pelo governador José Ivo Sartori para a diretoria de Incentivo ao Desenvolvimento da Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan). Para o constitucionalista Eduardo Carrion, também trata-se de um caso de nepotismo, embora não contemplado pela súmula vinculante n° 13 do STF.

Rodrigo tem formação em veterinária, mas um texto publicado no site do governo do Estado explica que "os cursos de especialização em gestão e marketing o habilitaram para as funções de gestor empresarial que exerce já há alguns anos, e a de presidente reeleito do Conselho Regional de Medicina Veterinária do RS".

O pai, Onyx, diz que não teve participação na indicação do filho para o cargo, a qual partiu do diretório municipal do DEM, segundo o deputado.

– Não houve pedido (para o governador). O partido recebeu a solicitação de indicação de nomes e houve uma sugestão de que houvesse o aproveitamento do Rodrigo, porque ele tem experiência de administração no Conselho Regional de Medicina Veterinária e foi presidente da juventude do partido no Rio Grande do Sul há uns quatro anos. A indicação foi feita pelo diretório municipal, do qual ele é membro – explicou Onyx.

Nota do Editor

O novo diretor de incentivo ao desenvolvimento da Metroplan é veterinário, cuja formação não tem nada a ver com planejamento de regiões metropolitanas (sistema viário, saneamento, circulação e transporte, urbanismo, etc.). Os cursos de especialização agregam conhecimentos aos obtidos na formação profissional básica (veterinário, no caso). Um engenheiro, por exemplo, não pode ser indicado para a direção de um hospital, mesmo que ele tenha feito um curso de especialização na área de administração; mas é possível que ele tenha capacitação adequada para administrar uma empresa de engenharia ... 

"A prática de nepotismo se tornou generalizada", avalia especialista

Confira entrevista com Ligia Pavan Baptista, professora de ética e filosofia política da Universidade de Brasília

Por que o nepotismo ainda é um problema recorrente no Brasil, mesmo sendo proibido?

O nepotismo é um conflito de interesse entre o público e o privado. Pode ser definido como o favorecimento de parentes por agente público em relação ao acesso aos cargos públicos. É prática condenável na administração pública brasileira porque viola os princípios constitucionais da moralidade, igualdade, impessoalidade e legalidade. A prática do nepotismo de forma direta ou cruzada se tornou generalizada nos últimos anos e, por essa razão, o Supremo Tribunal Federal a proibiu em 2008.

Qual é a causa desta confusão entre público e privado?

As esferas pública e privada se confundem, tanto na política quanto na vida dos cidadãos. Jogar papel no chão da rua representa também uma confusão entre o público e o privado. Ninguém deixa papel no chão da sala da própria casa, mas joga na calçada, na praça, na rua. Por que não zelar pelo espaço público da mesma maneira que zelamos pelo espaço privado? Nós não temos noção de que o espaço público é nosso e que devemos zelar por ele.

É possível erradicar o nepotismo da administração pública?

O primeiro passo é impor o cumprimento dos princípios constitucionais e da legislação por meio da redução da sensação de impunidade, ou seja, com a devida punição dos culpados. Também é preciso reduzir o número de CCs, vincular tais cargos a questões de Estado e não de governo e exigir comprovação de conhecimento técnico. Mais controle e participação social também são importantes.

Nota do Editor

É interessante que nossa república continua com práticas monarquistas, ainda que um pouco "envergonhadas", porque ninguém quer assumir a indicação de parentes. Mas essas indicações foram feitas ...As "explicações" acima mostram que as indicações de parentes estão sendo feitas de forma transversa, indireta. Talvez de forma cruzada; quer dizer, um político indica o parente de outro e vice-versa, numa troca de favores muito conhecida, e eles acham que as pessoas não percebem isso ...

Fonte: Zero Hora, Nepotismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário