Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Sistema de Sinalização Náutica - IALA B

Embora marcas de navegação podem ser encontrados no mar, na sua maioria estão perto da terra, em torno de rotas de navegação, ou em águas costeiras, elas são usados para identificar perigos e canais seguros. Balizamento é regulado pela Associação Internacional de Sinalização Marítima (IALA). Existem dois sistemas: IALA A e B, no Brasil usa-se o IALA B.

Resultado de imagem para sinalização náutica

COMO RECONHECER DIFERENTES TIPOS DE SINAIS 

O sistema de balizamento possui cinco tipos de sinais, que podem ser usados de forma combinada:

1. Sinais Laterais

Seu emprego está associado a uma “direção convencional do balizamento”, geralmente usados em canais bem definidos (bordas do canal). A sua cor e forma indica em qual dos lados a passar (bombordo e boreste da rota a ser seguida). Onde um canal se bifurca, um sinal lateral modificado pode ser usado para indicar a via preferencial. 


Sinais de bombordo 

Cor: Verde.
Formato (boia): Cilíndrico, pilar ou charuto.
Marca de tope (se houver): Cilindro verde simples.
Luz (quando houver) Cor: Verde.

Sinais de boreste 

Cor: Encarnada.
Formato (boia): Cônico, pilar ou charuto.
Marca de tope (se houver): Cone encarnado simples com o vértice para cima.
Luz (quando houver) Cor: Encarnada

No ponto em que um canal se bifurca, seguindo a “direção convencional do balizamento”, o canal preferencial pode ser indicado pelos sinais laterais de bombordo ou boreste modificados, como se segue:

Canal preferencial a boreste (bombordo modificado) 

Cor: Verde com uma faixa larga horizontal encarnada.
Formato (boia): Cilíndrico, pilar ou charuto.
Marca de tope (se houver): Cilindro verde simples.
Luz (quando houver)
Cor: Verde.
Ritmo: Grupos de lampejos compostos ( 2 + 1 ).

Canal preferencial a bombordo (boreste modificado)

Cor: Encarnada com uma faixa larga horizontal verde.
Formato (boia): Cônico, pilar ou charuto.
Marca de tope (se houver): Cone encarnado simples com o vértice para cima.
Luz (quando houver)
Cor: Encarnada.
Ritmo: Grupos de lampejos compostos ( 2 + 1 ).

2. Sinais Cardinais

Seu emprego está associado ao da agulha de navegação (Norte, Sul, Leste e Oeste). São usados para indicar o setor onde se poderão encontrar águas navegáveis.

Descrição de Sinais Cardinais

Sinal Cardinal Norte

Marca de tope (a): 2 cones pretos, um sobre o outro, com os vértices para cima.
Cor: Preta sobre amarela.
Formato: Pilar ou charuto.
Luz (quando houver)
Cor: Branca.
Ritmo: Lampejos rápidos ou muito rápidos.

Sinal Cardinal Leste

Marca de tope (a): 2 cones pretos, um sobre o outro, base a base.
Cor: Preta com uma faixa larga horizontal amarela.
Formato: Pilar ou charuto.
Luz (quando houver)
Cor: Branca.
Ritmo: Grupos de lampejos triplos muito rápidos a cada 5 segundos ou rápidos a cada 10 segundos. 

Sinal Cardinal Sul

Marca de tope (a): 2 cones pretos, um sobre o outro, com vértices para baixo.
Cor: Amarela sobre preta.
Formato: Pilar ou charuto.
Luz (quando houver)
Cor: Branca.
Ritmo: Grupos de lampejos muito rápidos (6) + lampejo longo a cada 10 segundos ou grupos de lampejos rápidos (6) + lampejo longo a cada 15 segundos.

Sinal Cardinal Oeste

Marca de tope (a): 2 cones pretos um sobre o outro, ponta a ponta.
Cor: Amarela com uma faixa larga horizontal preta.
Formato: Pilar ou charuto.
Luz (quando houver) Cor: Branca.
Ritmo: Grupos de lampejos muito rápidos (9) a cada 10 segundos ou grupos de lampejos rápidos (9) a cada 15 segundos.

3. Sinais de Perigo Isolado

São usados para indicar perigos isolados de tamanho limitado, cercados por águas navegáveis.

Descrição dos Sinais de Perigo Isolado 

Marca de tope (b): 2 esferas pretas, uma sobre a outra.
Cor: Preta, com uma ou mais faixas largas horizontais encarnadas.
Formato: Opcional, porém sem conflitar com os sinais laterais, preferindo-se os formatos charuto e pilar.
Luz ( quando houver)
Cor: Branca.
Ritmo: Grupo de lampejos.

4. Sinais de Águas Seguras

Usados para indicar que em torno de sua posição as águas são navegáveis; por exemplo, sinais de meio de canal ou sinais de aterragem.

Descrição dos Sinais de Águas Seguras

Cor: Faixas verticais encarnadas e brancas.
Formato: Esférico, pilar ou charuto.
Marca de tope (se houver): Uma esfera encarnada.
Luz ( quando houver)
Cor: Branca.
Ritmo: Isofásico, ocultação, lampejo longo a cada 10 segundos ou Morse “A”

5. Sinais Especiais

O objetivo principal desses sinais não é orientar a navegação e sim indicar uma área ou peculiaridade mencionada em documentos náuticos, por exemplo:

Sinais dos Sistemas de Aquisição de Dados Oceânicos (ODAS).
Sinais de separação de tráfego, onde o uso de sinalização convencional de canal pode causar confusão.
Sinais de área de despejos.
Sinais de área de exercícios militares.
Sinais de cabo ou tubulação submarina.
Sinais de área de recreação.

 Descrição dos Sinais Especiais 

Cor: Amarela.
Formato: Opcional, mas sem conflitar com os sinais de auxílio à navegação.
Marca de tope (se houver): Formato de “X” amarelo.

Luz (quando houver) 

Cor: Amarela.
Ritmo: Grupo de ocultação ou lampejo simples, mas não um lampejo longo a cada 10 (dez) segundos; grupo de lampejo com 4 (quatro), 5 (cinco) ou excepcionalmente 6 (seis) lampejos; grupo de lampejo composto; ou Morse, mas não com os caracteres simples “A”ou “U”.

Método de Caracterização de Sinais

h

i


O significado de um sinal depende de uma ou mais das seguintes particularidades:

- À noite, cor e ritmo da luz. 
- De dia, cor, formato e marca de tope

Sinalização de Pontes


Nenhum comentário:

Postar um comentário