Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Negligência - Canaria de dragagem da SPH bloqueia o canal Miguel da Cunha, prejudicando o transporte de passageiros

Travessia de lanchas e balsas ficaram suspensas por seis horas

Os municípios do Rio Grande e São José do Norte ficaram sem ligação nesta 
quarta-feira, o que gerou desconforto e revolta nos usuários do serviço

Travessia de lanchas e balsas ficaram suspensas por seis horas
Passageiros esperaram por horas no interior da estação hidroviária

Na manhã desta quarta (27), um mangote utilizado na última dragagem do canal Miguel da Cunha, pela Superintendência de Porto e Hidrovias do Rio Grande do Sul (SPH), soltou-se, ocasionando a interrupção da travessia de passageiros entre os municípios de Rio Grande e São José do Norte. Por medida de segurança, foram, no total, seis horas sem o serviço, gerando indignação e atrapalhando a rotina de centenas de cidadãos que realizam a travessia.

Segundo a Marinha do Brasil, o mangote – cano utilizado como conexão na sucção e na linha de recalque em desassoreamento de portos e canais – se soltou nas proximidades da Ilha do Terrapleno de Leste, causando risco à navegação no canal”. Devido a este problema em alto mar, ainda na manhã de ontem, a Capitania dos Portos do Rio Grande do Sul (CPRS), responsável por garantir a segurança da navegação, interditou a travessia pelo Canal.

A última lancha que fez o trajeto em direção a São José do Norte foi a das 11h, porém, teve que mudar o trajeto, aumentando o percurso, levando quase 2h pra realizar a travessia. Após esse horário, a empresa não liberou mais lanchas – o que causou muita indignação e transtornos aos usuários – retornando com o serviço apenas após às 17h30min.

A tubulação pertencente à SPH foi levada pela correnteza
Foto: Rafael Diverio, Agência RBS

Segundo a Marinha, até que a SPH, proprietária do equipamento, providencie a retirada do mangote do local, as embarcações que realizam a travessia de passageiros e de veículos deverão utilizar o canal de acesso ao Porto Novo, fazendo com que o trajeto duplique, levando pouco mais de uma hora de viagem.

Por nota, a SPH informou que, nesta quinta (28), uma equipe técnica fará, juntamente com a Marinha, uma vistoria no canal Miguel da Cunha, e “assim que as condições climáticas permitirem, dará início às operações para retirada da canaria. Até a vistoria, o canal está interditado pela Marinha”, conclui.

Fonte: Jornal Agora, Rio Grande.

Articulação
...
Atento à situação vivida pelos munícipes, ainda durante a travessia e após a consulta, Xavier (prefeito em exercício de SJN) manteve diálogo com diretor-superintendente da Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan), engenheiro Pedro Bisch Neto, a fim de garantir a retomada e a continuidade do serviço.

Após intensa articulação do governo municipal, no final desta tarde, o Departamento de Segurança do Tráfego Aquaviário da Capitania dos Portos do Rio Grande do Sul emitiu documento às empresas responsáveis pelo transporte de passageiros, veículos e cargas entre as duas cidades, sugerindo o contorno da Ilha do Terrapleno como rota alternativa. Esse documento possibilitou que a Metroplan, órgão que regula a prestação do serviço, determinasse o retorno do transporte aquaviário.

Fonte: Assessoria de Comunicação e Imprensa, Prefeitura Municipal SJN.

NOTA DO EDITOR

O atual diretor de hidrovias da SPH, vereador Cristiano Nogueira da Rosa (Estrela/RS), não se manifestou a respeito do assunto, até porque tinha retornado há pouco de mais uma viagem ao Rio de Janeiro, onde participou de mais um "evento" portuário (?), onde teria sido "palestrante" (!!!). Na verdade, ele deve ter feito apenas uma leitura sofrível de uma "apresentação institucional", elaborada com base em trabalhos anteriores feitos pelos técnicos da SPH.

Conheço bem o assunto, já tive o desprazer de ver uma das minhas palestras ser "apresentada" por terceiros em outro locais (até no exterior), como se fosse trabalho deles ... No meu tempo de estudante, o sujeito que se apropriava de trabalho alheio (cola, usurpação) era expulso da escola. Não era uma escola comum, pois estava sob o comando de norte-americanos ...

Não custa lembrar o conceito de palestra ...
  
Palestra – É uma situação caracterizada pela apresentação de um tema, por uma pessoa que tenha conhecimento de causa, a um grupo de pessoas com interesses comuns. Após a apresentação, um espaço é aberto para perguntas e esclarecimentos. Seu intuito é o de ensinar/informar/atualizar o público sobre um determinado assunto. Duração mínima de uma hora. (Parlante, Palestras e Eventos)

Uma pessoa séria (decente, honesta), faria uma palestra sobre um tema que desconhece, por não ter formação técnica profissional compatível, nem experiência suficiente na respectiva área? 

Claro que não!

Políticos ... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário