Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Rio Guaíba - Distribuição dos sedimentos de fundo

O Lago Guaíba localiza-se na margem oeste de Porto Alegre, compreendendo uma superfície de aproximadamente 500 km². Os terrenos constituídos por rochas vulcânicas, plutônicas e sedimentares e drenados pela Bacia Sudeste do Rio Grande do Sul, são submetidos a taxas médias de precipitação anual de 1300 mm. 

Os parâmetros climáticos, composição mineralógica e de relevo, propiciam condições favoráveis a intemperização e erosão das rochas, fornecendo expressivos volumes de sedimentos que são transportados para o Guaíba. Já os parâmetros, que estabelecem as condições deposicionais no Guaíba, são controlados principalmente pelo nível de energia das correntes e de ondas. Coletaram-se amostras de fundo e de praia ao longo de perfis transversais E-W, mediante uso da draga Van Veen. 

Estas foram analisadas em laboratório, e confeccionados mapas de teores de cascalho, areia, silte, argila e matéria orgânica dos sedimentos e sua distribuição. Os pontos de coleta foram georreferenciados com GPS.

Rio Guaíba - Mapa de Distribuição dos Sedimentos de Fundo

A partir dos resultados das análises, elaborou-se uma planilha de percentual de sedimento de fundo e matéria orgânica do Lago Guaíba, gerando mapas texturais de detalhe. Os valores dos mapas de teores são expressos em percentual de base seca de sedimentos. Com estes percentuais, associou-se a distribuição granulométrica à hidrodinâmica, resultando um mapa com a compartimentação das áreas de acordo com as características texturais das amostras. 

Desta forma, identificaram-se quatro setores cujos percentuais de areia variam de: 90–100; 50-90; 10-50 e 0-10, podendo ser indicativos da energia do ambiente deposicional. Os resultados obtidos permitiram o conhecimento do processo de sedimentação do Guaíba e a identificação das áreas de maior movimentação de sedimentos, junto as isóbatas inferiores a 3 metros, de grande importância para o planejamento das ações de saneamento do Guaíba, principalmente, uma adequada localização de pontos de captação de água para abastecimento e para lançamento de efluentes.

Fonte: CECO/Instituto de Geociências/UFRGS, www.ecologia.ufrgs.br.

Nenhum comentário:

Postar um comentário